sábado, 8 de fevereiro de 2020

Deu no Globo: Massa Falida da Bloch Editores não paga o que ainda deve aos ex-funcionários da antiga editora

Reprodução/O Globo/ 08/2/2020

Hoje, na coluna do Ancelmo Gois, uma nota registra um drama de muitos ex-funcionários da Bloch ainda diante da falência da empresa ocorrida em agosto de 2000, há quase 20 anos.
A maioria dos credores trabalhistas recebeu o chamado "valor principal" das indenizações. Contudo a Massa Falida lhes deve parcelas da correção monetária, cujos pagamentos foram inexplicavelmente suspensos há mais de quatro anos. Muitos ex-funcionários fizeram acordos na Justiça há cerca de 15 anos e aceitaram uma redução das indenizações confiando que assim a quitação total se efetuaria em prazo razoável. Não foi o que aconteceu.

A Comissão dos Ex-Empregados da Bloch Editores se mobiliza  para que o compromisso seja respeitado e tem feito seguidos apelos à Massa Falida da Bloch Editores. Recentemente, foi criada uma camiseta sugestiva e bem-humorada que traduz a situação dos credores trabalhistas da extinta editora.   

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

Kirk Douglas (1916-2020): Spartacus no carnaval carioca...

No Baile do Municipal, fantasiado...
...de Spartacus.

No dia seguinte ao baile, Kirk Douglas curou a ressaca na piscina dos
Monteiro de Carvalho.


Na capa da Manchete, com a mulher, Anne Buydens. Fotos: Reproduções
por Ed Sá

Kirk Douglas foi figurinha fácil no carnaval carioca de 1963. Ao lado da mulher, Anne Buydens, com quem se casara nove anos antes, foi ao Baile do Municipal, conheceu as boates da moda em Copacabana e caiu na piscina da mansão dos Monteiro de Carvalho em Santa Teresa.

"Spartacus", um dos seus grandes sucessos, fazia carreira internacional e o ator era acompanhado pela mídia onde quer que fosse. No Rio, Manchete cobriu todos os seus passos. E não deixou de registrar nem mesmo os momentos mais reservados na piscina dos anfitriões aberta com exclusividade para a revista.

Do Rio, Kirk Douglas seguiu para Brasília. Encantou-se com a arquitetura da capital e comentou que a vida de JK, o homem que ousou construir no meio do nada a cidade que o impressionou, daria um filme.

Kirk Douglas morreu ontem, aos 103 anos, em Los Angeles. Deixa a mulher, Anne Buydens, com quem posou para a capa da Manchete naquela semana, os filhos Michael, o ator, Joel e Peter, produtores.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

Voo para Wuhan: cadê os caronas do governo que adoram voo oficial?

por O.V.Pochê. 
Algo estranho está acontecendo. O Brasil está enviando dois jatos da Presidência em viagem internacional para Wuhan, na China e o pessoal -  altos funcionários do governo, ministros, mulheres e filhos, políticos e empresários aliados - não está pegando carona nessa boca-livre. Muito inusitado. Normalmente esses voos saem lotados de alegres turistas oficiais. Perdi alguma coisa?

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

Capas da Caras vão parar na Justiça. É para provar que Gugu e Rose eram um casal... Down, down, down in the high celebritie

Da Coluna Mauricio Stycer, no UOL. Link abaixo.

A disputa pública pela herança do Gugu se transformou em um barraco. O patrimônio do apresentador, morto em novembro em consequência de um acidente caseiro, alcançaria, segundo estimativas que circulam na mídia, 1 bilhão de reais.
Um dos itens em questão no conflito é a natureza da relação do falecido com Rose Miriam di Matteo, mãe dos seus três filhos. Segundo Maria Liberato, mãe do apresentador, o filho "nunca teve nada com ela".
A Coluna Mauricio Stycer, no UOL, revela que o advogado de Rose, Nelson Wilians, pode apelar para a coleção da revista Caras para contestar a família do Gugu. Desde 1994, Gugu, Rose e os filhos estiveram juntos na capa da Caras mais de dez vezes.

Leia a matéria original na Coluna Maurício Stycer, no UOL. Clique AQUI

Claudia Raia nua em Portugal - "Quem pode livre ser, gentil Senhora", diria Camões...



por Ed Sá
 

Em cartaz com o espetáculo "Conserto para Dois", em Lisboa, Claudia Raia tem feito presença na mídia local. 

O destaque é para a capa da edição de fevereiro da  GQ portuguesa. Aos 53 anos, a atriz mostra a boa forma aos patrícios. Ao piano, o marido Jarbas Homem de Mello, também presente na capa e na peça. 

A GQ se impressionou com as pernas da brasileira, extensão mais exuberante dos seus 1,78m. 

Não por acaso, pernas que brilharam muitas vezes em capas da Manchete.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

Futebol sob ataque da tropa do apito...

por Niko Bolontrin

O futebol está mudando rapidamente. Não demora muito vamos saber se para melhor ou para pior. Por enquanto, os sinais não são animadores. Neste fim de semana, alguns desses sintomas foram expostos.

Na França, pelo PSG, Neymar tomou um cartão amarelo após tentar um "lambreta" contra dois adversários que o cercavam à margem do campo. Com a habilidade que o caracteriza, o brasileiro alçou a bola sobre os marcadores, a solução possível. A jogada não se completou porque a bola resvalou no corpo do zagueiro Souquet, do Montpellier. O árbitro Jérôme Brisard foi irritadinho com o lance que não implicou em violência, nem agressão ou atitude antiesportiva. Foi tão somente um recurso criativo entre os muitos que Neymar utiliza quando nada o atrapalha de jogar futebol. Jovens jogadores brasileiros que partiram para a Europa já confessaram dificuldades na adaptação porque alguns treinadores desestimulam dribles em nome da troca de passes, posse de bola e da participação na "marcação alta". Não por acaso, alguns jogos lembram uma espécie de "handebol" jogado com os pés.

Em São Paulo, o árbitro Luiz Flávio de Oliveira expulsou Janderson, do Corinthians, após o jogador se juntar à torcida para comemorar um gol sobre o Santos. A própria Fifa já relevou essa regra durante a última Copa do Mundo.

Comentário certeiro do jornalista André Rizek:



domingo, 2 de fevereiro de 2020

Sexismo no jornalismo: o detalhe que gerou polêmica...

Reprodução Twitter


A imagem da jornalista argentina Belén Mendiguren entrevistando um ciclista para a ESPN, durante uma competição na Argentina, gerou uma polêmica na web. O ex-ciclista belga Sven Spoormakers, que atualmente é comentarista esportivo, publicou a foto no Twitter com a legenda "Faz frio na Argentina?". Uma alusão aos "faróis altos" da repórter.
O comentário recebeu críticas, Spoomakers foi acusado de sexismo, e se desculpou: “O que deveria ser um comentário engraçado acabou sendo ofensivo para muitas pessoas. Sinto muito”. A seguidoras, o ex-ciclista afirmou que "não é o brontossauro" que as críticas acusam.

sábado, 1 de fevereiro de 2020

Nas primeiras páginas dos jornais: quem mostra e quem esconde o fato...

Folha destaca os riscos da alta informalidade que...

... O Globo disfarça e finge que não é com ele. E o...

Tempo chama atenção para a ameaça ao que resta de sistema previdenciário. 

por Flávio Sépia

Tanto a reforma trabalhista quanto o confisco da Previdência armam bombas de destruição em massa de conquistas sociais e até da sobrevivência coletiva em condições minimamente humanas e justas.

O fato é que o neoliberalismo chegou ao Brasil bem antes do governo atual e, como aconteceu em vários países, não mostrou resultados, apenas exigiu sacrifícios da população, especialmente a faixa mais carente, seja em cassação de direitos ou em fortes aumentos de taxas por parte dos serviços públicos amplamente concedidos em todo o país.

Com Bolsonaro e Paulo Guedes, a doutrina impulsionada pela escola monetarista de Milton Friedman e os Chicago Boys que foram assediados e seduzidos por ele, tornou-se um seita no Brasil e promete ser levada às últimas consequências.

O Brasil se aproxima de ter 50% da sua força de trabalho formada por "informais". São quase 40 milhões de trabalhadores sem vínculo empregatício. Forçada, em sua maioria a abrir mão de direitos fundamentais - inclusive aposentadoria  - a parcela crescente dos "informais" não contribui para a Previdência. Mesmo assim, alguns dos principais veículos que estão com Guedes e não abrem batem palmas para uma queda milimétrica do desemprego e os colunistas de mercado apoiadores incondicionais do neoliberalismo festejam os números como uma "retomada" do crescimento

A Folha, no título principal, é mais ética e destaca o absurdo índice de informalidade. O Globo prefere comemorar a "queda" do desemprego. O jornal O Tempo aponta as consequências para o sistema publico da Previdência.

Com cinismo explícito, autoridades atribuem a informalidade a um "avanço do empreendedorismo" que, aliás, não conseguem provar ou, no máximo, vibram com a face mais visível: a dos novos boias frias dos aplicativos de entrega de comida.

O que esse governo de ultra direita está empreendendo é a bomba relógio devastadora dos mecanismos mínimos de proteção social. Sem falar que promete agora dá início à chamada era do voucher. Voucher para as escolas, voucher para a saúde, voucher para a casa própria. Uma espécie de mercado do pedágio, algo mais ou menos semelhante à prática financeira das milícias...

A selva já pode ser vista no horizonte.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

"Casou !" - Regina Duarte sobe ao altar da Secretaria da Cultura...

Regina Duarte em "Rainha da Sucata"
Divulgação/Reprodução
por O. V. Pochê 

Todo mundo usa metáforas. Lula usava e abusava dos termos do futebol para explicar decisões de governo ou fatos políticos.

Figuras de linguagem facilitam a comunicação de massa. Mas ao optar por um tipo de metáfora o sujeito revela muito de si. Bolsonaro tem uma fixação em "relacionamentos amorosos" como "lugar de fala" populista. Nomeações e até crises políticas são tratadas como se discussões conjugais: "estamos nos conhecendo", "estamos namorando", "foi um briguinha de namorado" etc.

Talvez por achar que o palavreado casamenteiro agrada ao chefe, a moda se espalha. Regina Duarte logo aderiu. "Noivou" com Bolsonaro rumo ao altar da Secretaria da Cultura. A atriz e militante da direita sinaliza que vai continuar praticando o jogo da metáfora conjugal. Agora informa que está na fase dos "proclamas" formais que antecedem a troca de alianças do "casamento". Dá a entender que os futuros comunicados da Secretaria podem seguir a mesma linha de comunicação. Não haverá "posse", mas cerimônia de "casamento" (em tempo; há uma clara inversão no roteiro. Folhetins normalmente acabam em casamentos; nessa novela da Cultura, a trama se inicia com as bodas e logo virá, portanto, a "lua de mel"). No cargo, em vez de demitir assessores Regina certamente vai "pedir um tempo" ou dizer que "precisa de espaço", que o outro a está "sufocando".
Na novela 'Carinhoso".
Reprodução

Quando tiver um problema burocrático deverá ir ao Planalto para uma "terapia de casal" que suavize divergências. Diante do corte de verbas poderá alegar que o "marido" provedor não está cumprindo com os seus deveres. Vai ver os artistas serão tratados como "filhos" do novo casal republicano. Receberão uma mesada aqui e acolá para produzir "arte nacional" e levarão uns puxões de orelha caso demonstrem que estão sofrendo más influências de amiguinhos esquerdistas. Se Regina permanecer "casada" até 2022  comemorará as bodas de algodão que marcarão os dois anos da relação. Se sair antes, anunciará o "divórcio" e dirá que a "amizade" continuará. Se "divorciada", Regina não vai pedir pensão alimentícia porque já recebe benefício deixado pelo pai militar. E outro "noivo" ou "noiva" será cortejado para assumir a pasta da Cultura no reality show de Brasília.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

100 anos da Lei Seca. A original, não a das blitzes contra bebuns no trânsito

A Lei Seca foi aprovada em 1919 e começou a vigorar em 1920.


Em 1933, o democrata Franklin D. Roosevelt derrubou a proibição e os sobrinhos do Tio Sam encheram a cara
sem medo de serem felizes. Argumento para revogar a  lei: criar mais empregos.

por  Flávio Sépia

Lei Seca nos EUA entrou em vigor em 1920. Até ser revogada em 1933 pelo democrata Franklin D. Roosevelt, a Prohibition Era, como era conhecida, vetou a fabricação, venda e transporte de bebidas alcoólicas. Empresários achavam que a bebida prejudicava a produtividade dos operários, fazendeiros diziam que os negros eram propensos ao vício e religiosos pregavam que a bíblia condenava drinques, embora Jesus tenha produzido vinho durantes as bodas de Caná.

De inspiração religiosa, racista ou capitalista, a medida pretendia moralizar o país, mas teve efeitos contrários: aumentou os índices de embriaguez, corrupção e criminalidade. Fabricar uísque em destilarias clandestinas ou contrabandear bebidas do Canadá, Europa e Cuba tornou-se lucrativo ramo de negócios com o aparecimento de poderosas organizações criminosas, como a do CEO Al Capone.

Curiosamente, em vários estados americanos a Lei Seca não acabou e persistem restrições parciais a bebidas alcoólicas. Algumas localidade ainda proíbem totalmente biritas de qualquer tipo.

Só décadas depois do fim da Lei Seca documentos oficiais revelaram um aspecto cruel e macabro da proibição. Ocorreram muitas mortes por ingestão de bebida durante o período. Tais casos eram atribuídos à má qualidade de bebidas eventualmente produzidas em alambiques precários, o que de fato ocorria. Os Estados Unidos continuaram fabricando álcool industrial indispensável a vários produtos. Logo o crime organizado passou a usar clandestinamente parte dessa produção legal. Para combater o desvio, as autoridades mandaram contaminar o álcool industrial com venenos para impossibilitar que fosse utilizado para a fabricação de uísque barato. As consequências foram trágicas: milhares de consumidores, a maioria pobres, foram mortos ou ficaram cegos ou com lesões permanentes no fígado.

Apenas para encerrar o comentário: é simbólico que 100 anos depois da Lei Seca o ministro Paulo Guedes acene com a criação no Brasil do "imposto do pecado" sobre bebidas e cigarros. Uma espécie de "lei seca fiscal" desses tempos neoliberais e neopentecostais que se inspiram de preferência no pior passado.

Provavelmente, a "lei seca fiscal" do Guedes, se vier, vai criar mais um mercado clandestino no Brasil. Os Al Capones nós já temos.

Cony foi cassado por Wilson Witzel. Governador muda nome de escola que homenageava o jornalista e escritor

O governador Wilson Witzel cassou Carlos Heitor Cony, Rachel de Queiroz, Zilda Arns e Luiz Melodia.

Explica-se os citados eram nomes de escolas estaduais. Com uma canetada, Witzel rebatizou-as com nomes de policiais e bombeiros militares. Todas essas escolas serão transformadas em "escolas cívico-militares", espécie de "mini-quartéis" educacionais que se espalham pelo país atualmente.

A informação está no jornal Extra, que registra como fonte o Diário Oficial de segunda-feira (27).

Provavelmente os escritores, o compositor e a médica sanitarista anteriormente homenageados (com exceção, talvez, de Rachel de Queiroz, que era ligada ao ditador Castelo Branco) agradeceriam a Witzel por não associar seus nomes ao projeto militarista.

O jornalista e escritor Carlos Heitor Cony, ex-Manchete, Fatos & Fotos e EleEla, foi preso em duas ocasiões, durante a ditadura, sob os governos de Castelo Branco e Costa e Silva

segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

Partiu, Idade Média! - Conheça as novas previsões para a República dos Toscos

Ministros em reunião com o presidente no...

Palácio do Planalto, no condado de Brasília, na semana passada. 

Allan Richard Way II fez em dezembro último suas previsões para 2020. Uma tarefa que parecia completa e encerrada. Parecia. O vidente admite que previu os fatos - como a chegada de um novo vírus, a morte de um famoso apresentador de TV) e a onda fundamentalista -, mas não a velocidade do avanço do obscurantismo no Brasil. Em iniciativa inédita, ele envia novos presságios desdobrados dos acontecimentos que antecipou. Way II identifica no cenário social uma chocante volta aos valores do Medievo, que atende pelo nome da Idade Média.

por Allan Richard Way II

Nos países onde a ultra direita religiosa se impõe cresce a apologia a um retorno aos valores do passado. O Brasil vive um momento assim. Os sinais da terrível regressão mental, moral, intelectual que o país sofre são públicos. Em linhas gerais estavam previstos. Mas a implantação desses dogmas se acelera e os seus adeptos em posição de governo vão a cada dia buscar novos estandartes do tempo em que o Castelo e o Convento, unidos, dominavam os povos. O primeiro simbolizando o poder político e econômico e o segundo personificando a opressão religiosa. Parece o mapa do atual caminho do Brasil. É por isso que surgem as campanhas de abstinência sexual para os  jovens, a paulatina demolição do Estado laico, o controle da cultura, censura e até atentados dirigidos a quem desafia a "nova ordem" mística, as teorias do tipo terra plana e criacionismo etc.
Sinto informar que os próximos anos serão plenos nessa direção.
Leia algumas medidas:

* Além de recomendar a abstinência sexual, o governo pregará a volta do método Ogino-Knaus, o do calendário e tabelinha para driblar a fertilidade. As autoridades acham que a camisinha nada mais é do que um incentivo para o povaréu abusar do sexo. 

* Os mais radicais apoiadores da volta dos valores da Idade Média advogarão choques elétricos e da lobotomia para curar gays, jornalistas, artistas de esquerda, cracudos, pais de santo, ateus, críticos de Donald Trump, integrantes do MST, estudantes que reclamam das falhas do Enem e qualquer pessoa que proteste contra a destruição da Amazônia.

* Como parte da agenda da Arte Nacional, as autoridades lançarão edital para produção dos seguintes filmes: O Triunfo da Vontade 2, Olympia 2, A Vitória da Fé, 2.

* A frase Ordem e Progresso na bandeira será substituída por "Deus Vult".

* A Terra é chata? Sim, com um governo destes sempre será muito chata.

* Depois de culpar os pobres pela degradação ambiental do planeta, equipe do governo dirá que negros provocam racismo, pessoas com deficiência fazem o país gastar com a construção de rampas, Lei Maria da Penha só existe porque mulheres são folgadas, desempregados são uns chatos que insistem em prejudicar as boas estatísticas de emprego e a distribuição de renda só é ruim aqui porque tem miseráveis demais é, o que é pior, eles não rendem nem um musical.

* A chegada do novo vírus, o corona chinês, será a volta da peste negra retrofitada? Por enquanto, o imponderável não responde.

* Governo envia ao Congresso projeto de lei para tornar apologia ao crime portar livros de Paulo Freire.

* O governo brasileiro vai pedir a extradição da ativista sueca Greta Thunberg, como menor infratora, para cumprir medida protetiva em estabelecimento de ressocialização,

* Inspirado nos neopentecostais que criaram batalhões religiosos nos quartéis da PM, o governo vai oficializar as Novas Cruzadas para combater preferencialmente os hereges, José de Abreu, Chico Buarque, Jean Wylis, Patrícia Campos Mello, Porta dos Fundos, os repórteres que fazem perguntas "incômodas" no plantão do Alvorada, Glenn Greenwald, a diretoria da UNE e as torcidas antifascistas nos estádios.

* A "rachadinha" será finalmente legalizada. E os funcionários fantasmas passam a ser reconhecidos como "forças de reserva" dos gabinetes.

* Depois de praticamente acabar com a Previdência, o governo criará a  aposentadoria por capitalização. Funcionará assim: o trabalhador contribuirá durante 35 anos e depois disso ganhará o direito de participar de um sorteio. Se ganhar, passará a receber um salário mínimo e uma cesta básica por mês. Se não tiver sorte, paciência, é do jogo, ele receberá um bom auxílio funeral.

* O governo porá em prática um plano para acabar com as milícias. Vai privatizá-las. Serão transformados em burgomestres e participarão de leilões para assumir concessões nas aldeias.

* Parodiando a Maria Antonieta do “Eles não têm pão? Por que não comem brioches?” diria nossa dondoca rica: “A água está podre? Por que não tomam Évian?”

sábado, 25 de janeiro de 2020

Fotomemória da redação: Manchete dançou lambada. Foi há 30 anos...



Em 1990, a lambada se espalhava pelo mundo. A dança era capa de revistas internacionais, como a Observateur. A repórter Marina Nery e o fotógrafo Ricardo Beliel foram ao Pará desvendar para a Manchete as raízes da lambada.

Naquele momento, há 30 anos, o ritmo ditava a imagem do Brasil que, no exterior, ainda não era confundido com neonazismo ou neofascismo, desprezo pelo meio ambiente, neuras fundamentalistas, milicias, os Queirozes da vida etc.

O clima de que o Brasil pós-Constituinte tomaria jeito durou pouco. Eleito presidente, Collor de Mello logo confiscou poupanças e adotou uma política de neoliberalismo trêfego e implantou seguidos planos econômicos fracassados. Em pouco tempo, a inflação disparou e a fantasia collorida sucumbiu em meio a um mega escândalo de corrupção.

A lambada "chorando se foi", como cantava o grupo Kaoma que, ao lado de Beto Barbosa (o cantor do "dançando lambada, dançando lambada"...) dominava as paradas musicais.

Mas a dança parece ter sido uma breve "janela" de alegria como Manchete bem registrou naquele difícil começo da década de 1990.

quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

O ataque a Glenn Greenwald e o discurso nazista de Alvim estão na mesma selfie do momento político

Inicialmente, a mídia conservadora noticiou o ataque ao jornalista Glenn Greenwald apenas como um fato e evitou se posicionar. Ao contrário do New York Times que imediatamente deu em editorial a dimensão da ofensiva ao jornalismo.

Hoje, sob o título "Indiciamento de jornalista é afronta", O Globo se posiciona. Fala em "rechaçar o ataque ao jornalista, protegido pelo direito de informar e do sigilo da fonte. Mesmo que ela já seja conhecida é afrontoso tentar acumpliciar Glenn Greenwald , com o hackers, com base em interpretações forçadas de frases soltas em diálogos travados entre Glenn e Walter Delgatti Neto, obtidos pela Polícia Federal. Que, por sinal, nada viu nas investigações que identificasse a "participação material" do jornalista nos crimes de interceptação e roubo dos diálogos". 

O que Glenn Greenwald praticou foi puro jornalismo. Apenas revelou aos brasileiros certas metodologias suspeitas, para dizer o mínimo, dos procuradores da Lava Jato e do então juiz Sergio Moro. Se o material teve origem em ação de hackers, não é problema do jornalista. Assim como a mídia não pode ser criticada por ter publicado os sucessivos vazamentos da Lava Jato, que legalmente estavam sob sigilo determinado pela Justiça.

Caiu enfim a ficha do Globo em relação aos riscos ao direito de informar e ao sigilo da fonte, pilares da liberdade de expressão. E isso é positivo diante de opiniões que circularam nos últimos dias, por parte de figuras identificadas com a direita ou com o governo, que justificam o ataque a Gleen Greenwald.

A mesma edição do Globo traz um artigo do jornalista de mercado Carlos Alberto Sardenberg que normaliza a investida oficial contra o jornalista do Intercept Brasil.

Um alento é ler na mesma página um artigo de Joel Birman, psicanalista e professor da UFRJ sobre  discurso nazista do ex-secretário de Cultura Roberto Alvim. Birman demostra que a cenografia e conteúdo do pronunciamento daquele que, na véspera, foi elogiado por Bolsonaro, não são um ponto fora da curva do atual governo.

O discurso nazista de Alvim e o ataque a Glenn Greenwald estão na mesma selfie do atual panorama político brasileiro.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

ABI protesta contra perseguição a jornalista

LEIA A MATÉRIA COMPLETA AQUI

Denúncia contra Greenwald é ataque à liberdade de imprensa


(The Intecept Brasil/Reprodução)

1. Os diálogos utilizados pelo MPF na denúncia são rigorosamente os mesmos que já haviam sido analisados pela Polícia Federal durante a operação Spoofing, e acerca dos quais a PF não imputou qualquer conduta criminosa a Glenn;

2. A PF concluiu: “Não é possível identificar a participação moral e material do jornalista Glenn Greenwald nos crimes investigados”;

3. A PF destaca, inclusive, a “postura cuidadosa e distante em relação à execução das invasões” por parte do jornalista co-fundador do Intercept;

4. Glenn Greenwald não foi sequer investigado pela PF, pois não existiam contra ele os mínimos indícios de cometimento de crimes. Ainda assim, foi denunciado pelo Ministério Público Federal;

5. Causa perplexidade que o Ministério Público Federal se preste a um papel claramente político, indo na contramão da ausência de indícios informada no inquérito da Polícia Federal;

6. Nós, do Intercept, vemos uma tentativa de criminalizar não somente o nosso trabalho, mas o de todo o jornalismo brasileiro. Não existe democracia sem jornalismo crítico e livre. A sociedade brasileira não pode aceitar abusos de poder como esse;

7. O procurador Wellington Divino Marques de Oliveira, que agora tenta criminalizar nosso jornalismo, é o mesmo que denunciou e tentou afastar do cargo o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, por calúnia em uma fala pública sobre o ministro de Bolsonaro Sergio Moro. A denúncia foi rejeitada pela Justiça por ser, nas palavras do juiz da 15ª Vara Federal do Distrito Federal, “descabida”;

8. Sergio Moro é o principal implicado no escândalo da Vaza Jato, a série de reportagens publicada pelo Intercept e por veículos parceiros que mostra ilegalidades cometidas por Moro e pela Lava Jato;

9. O MPF também é implicado no escândalo da Vaza Jato, com vários de seus membros atingidos pelas irregularidades reveladas nas mensagens que estamos publicando;

10. A denúncia desrespeita ainda a autoridade de uma medida cautelar do Supremo Tribunal Federal, concedida na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) nº 601. Ela foi concedida para evitar ataques à liberdade de imprensa e ao trabalho jornalístico do Intercept e demais veículos parceiros na cobertura da Vaza Jato.

"Primo Rico" vai a Davos e culpa o "Primo Pobre" pela crise climática

Paulo Guedes é uma espécie de "primo rico", o personagem criado por Max Nunes e vivido por Paulo Gracindo no "Balança mas não Cai". Para o ministro, o "primo pobre" - que no humorístico era interpretado por Brandão Filho - é o culpado de tudo. Do rombo da Previdência ao uso perdulário do seguro-desemprego, da custosa necessidade de hospitais e escolas a casa própria e emprego.

Em Davos, Guedes resolveu denunciar o "primo pobre" como o grande responsável pelos problemas ambientais.

O ministro deve ter identificado o "vilão" do planeta quando foi trainee neoliberal em Chicago ou até no período que serviu à ditadura de Pinochet. Ele acha que o "primo pobre" detona o meio ambiente em busca de comida. Evita responsabilizar grandes corporações, mineradoras, a indústria do petróleo etc, e ignora que os processos de desmatamento são operações caras, grileiros, invasores, o agronegócio, garimpeiros, sejam de empresas ou de milícias, utilizam máquinas pesadas. É uma questão de escala, para usar o jargão tecnocrata.

Ô "primo rico", vai dar uma volta nas periferias ou nos grotões do Brasil. O pobre é vítima e não o agente da degradação ambiental.

"Você é uuuuótimo, primo!".

domingo, 19 de janeiro de 2020

O botóx jornalístico da revista Época


Desde setembro do ano passado, quando demitiu editores no rastro da matéria "O coaching on-line de Heloísa Bolsonaro", o que desagradou o clã, a revista Época passou por uma sessão de botóx jornalístico. 

Deixou de lado matérias investigativas de impacto político e passou a privilegiar nas capas reportagens de comportamento, medicina, empoderamento, empreendedorismo etc, um tipo de pauta que chega aos  limites da literatura do tipo auto ajuda.

Época vive tempos fofos. Parece o programa da Fátima Bernardes.

Magnata quer levar nave de passageiros para Marte. Faça sua lista de brasileiros que você gostaria de mandar para lá

por O. V. Pochê

Elon Musk, o dono da Space X, empresa espacial privada, revelou em seu Twitter que transportará até um milhão de pessoas a Marte até 2050. Em 10 anos, muita gente já poderá fazer check in para essa viagem, diz ele. O magnata não informa se construirá estruturas para as pessoas sobreviverem em Marte e, muito menos, se a passagem é de ida e volta.
Em todo caso, faça sua lista com os nomes de quem você gostaria de mandar para Marte. Claro, comece pelos terráqueos que atualmente habitam a Praça dos Três Poderes, lá mesmo, em Brasília.


sábado, 18 de janeiro de 2020

O Papa Francisco e eu • Por Roberto Muggiati

Muggiati na Rua Real Grandeza.  
Nunca fui de correr atrás de Papas (ou de celebridades em geral). Minha relação com a Igreja Católica não sobreviveu ao penoso rito da Primeira Comunhão, na paroquia de Santa Teresinha do Menino Jesus, no bairro do Batel, em Curitiba. Aquele bullying todo em torno da confissão – você tinha obrigatoriamente de ter pecados a expiar, ou então estaria mentindo. Os mais espertos inventavam pecados para sair logo daquela roubada. Outros, em pânico, chegavam até a comprar – com bolas de gude ou balas Zequinha – “pecados” a serem sussurrados ao obscuro inquisidor por detrás da treliça. Havia ainda a campanha de terror que cercava a ingestão da hóstia sagrada – o santo-cura histérico o intimidava a não ferir ou morder o corpo de Cristo. Troquei a arejada e solar igreja de Santa Teresinha – obra de mestres-de-obra imigrantes italianos que posavam de arquitetos – pela escura e misteriosa Catedral de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, elevada a Basílica Menor em 1993, ano do seu centenário. Como ainda não conhecera de perto as grandes catedrais medievais da Europa, eu me contentava com aquela cópia em estilo neogótico – ou gótico romano – inspirada na Catedral da Sé de Barcelona. E mais, meu pai, que tocava violino, costumava me levar até o majestoso órgão – era amigo do organista e de membros do coral – a meio caminho, subindo por uma escadaria íngreme e estreita, do campanário, onde eu me sentia o próprio Corcunda de Nôtre Dame (não tinha lido o romance de Victor Hugo, mas me impressionara com o filme em que Charles Laughton interpretava Quasimodo.) Havia ainda na Catedral de Curitiba a vigília do Cristo Morto na Semana Santa, na madrugada de sexta-feira, da qual meu pai participava com a capa solene da confraria – as imagens religiosas da igreja todas cobertas de pano roxo, só o Cristo crucificado do pequeno altar à direita do portão de entrada, com suas chagas sangrentas brutalmente expostas, um dos mais horripilantes que já vi em toda minha vida.
Havia um toque leigo, também: a missa das nove aos domingos na Catedral era conveniente, pois a poucos passos dali, às dez, começava o programa de rádio infanto-juvenil no Clube Curitibano. O apresentador, José Augusto Ribeiro – prenunciando já o fabuloso orador que viria a ser – comandava o show que tinha, entre suas atrações, as fabulosas irmãs catarinenses Van Steen, uma delas a Edla, que ganhou o mundo como atriz e escritora.
Bisneto de anarquista – Ernesto Muggiati veio para o Brasil com mulher, dois filhos e duas filhas para participar da lendária Colônia Cecília em Palmeira, no Paraná – comunista principiante (adentrei 1950 com doze anos de idade no auge da Guerra Fria), não posso omitir que me vi então, paradoxalmente, às voltas com uma tremenda crise mística ao ler, no começo da adolescência, já em inglês, The Seven Storey Mountain/A montanha dos sete patamares, de um dos grandes líderes espirituais da nossa época, Thomas Merton (1915-68), um monge trapista, ordem que cultivava o voto do silêncio.
Mas chega de nariz-de-cera, como se praticava no jornalismo dantanho.
Jesuíta, tanguero emérito, torcedor doente do San Lorenzo de Almagro, Jorge Mario Bergoglio (coincidência, Zagalo também é Jorge Mário) foi um dos raros Papas que não ascendeu ao trono de São Pedro pela morte do antecessor: Bento XVI renunciou e, como Papa Emérito, caminha firme para os 93 anos (não percam o filme Dois Papas, do brasileiro Fernando Meireles, que reconstitui o encontro entre Ratzinger e Bergoglio em Castel Gandolfo em 2013). Pouco depois, Ratzinger renunciava e Bergoglio assumia o papado sob o nome de Francisco, quebrando uma série de recordes pontificais: é o primeiro papa nascido na América, o primeiro latino-americano, o primeiro pontífice do hemisfério sul, o primeiro papa a utilizar o nome de Francisco, o primeiro pontífice não europeu em mais de 1200 anos (o último havia sido Gregório III, morto em 741) e também o primeiro papa jesuíta da história.
Enfim, de volta à nossa história. Eleito Papa em 13 de março de 2013, nosso bom Francisco inicia sua primeira viagem internacional em 22 de julho, justamente para a Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro. Francisco escolheu se deslocar do Aeroporto do Galeão para o Palácio da Guanabara, onde se daria seu primeiro encontro com as autoridades, num carro comum da Fiat, apenas o motorista e ele, no banco traseiro do lado direito com as janelas abertas, Apesar do pânico da segurança e da quantidade de pessoas que se aproximaram dele, num engarrafamento no meio do caminho, Francisco, na viagem toda, não abriu mão dessa rotina, janelas abertas para os apertos de mão do povo.
Como disse, não sou de correr atrás de Papas. Na quinta-feira, 25 de julho, terceiro dia da visita, o Sumo Pontífice veio receber as chaves do Rio de Janeiro no Palácio da Cidade, à rua São Clemente, a menos de uma quadra da vila onde moro, na Real Grandeza. Um instinto natural de curiosidade – e o cacoete de jornalista – me levaram até a frente do Palácio naquela manhã fria e cinzenta, mas o Papa só apareceria ao longe – sei lá quando – na sacada do Palácio, bem afastado da rua. Desisti. Voltei ao meu trabalho de tradução. Liguei automaticamente a televisão, vi o Papa dar uma bênção especial a nossa estrela do basquete, Oscar Schmidt, que lutava contra um câncer. Como disse, tudo aquilo acontecia a um quarteirão da minha casa. Quando vi que o Papa partiria para a etapa seguinte de sua programação, uma visita à favela de Manguinhos, deduzi logo que, por questões de segurança, ele jamais tomaria o Túnel Rebouças pela São Clemente, mas seria obrigado a pegar a Real Grandeza.
Bichon bebê ao chegar em casa
supimpa, circa 2001
Eu acabara de perder a viralata querida Phoebe. A poodle branquinha Bichon estava quase terminal com câncer no útero. E a caçula Mel, uma poodlezinha caramelo, também aguardava sua vez. Veterinários atribuem esses cânceres ao fato de as cachorras não terem tido filhos, ou não terem sido castradas. Mas havia controvérsias: muita gente falava nos componentes cancerígenos das rações industrializadas – algo que as autoridades sanitárias nunca investigaram seriamente. Num impulso, pensei: o Papa Francisco, que tomou o nome do santo padroeiro dos animais, vai salvar a Bichon (o nome veio de uma amiga da minha mulher que, ao ver a poodlezinha branca, perguntou: “Mas ela não é um bichon frisée?”) A Bichon se protegia do frio com um agasalho de tricô terrivelmente brega, nas cores marrom, verde-musgo, amarelo e fúcsia. Corri com ela para a frente da vila e cheguei à calçada da Real Grandeza no momento exato em que Sua Santidade se aproximava, sozinho no banco traseiro de sua Fiat banal, com a janela do lado direito aberta, justamente aquela que dava para mim, Ergui a poodle no seu adereço kitsch bem alto acima da minha cabeça. A rua estava deserta. O gesto bizarro chamou a atenção de Francisco, a uns quatro metros do dono e da cachorra, ele fixou o olhar sobre nós, abriu aquele seu sorriso sereno e simpático e acenou, como que abençoando a cachorrinha doente.
Vaidoso da minha intervenção pontifical, passei a imaginar que a cura da Bichon seria arrolada como um dos primeiros milagres do Papa Francisco no seu futuro processo de canonização. Ledo engano. Exatos sete meses depois – em 25 de fevereiro de 2014 – a Bichon morria e era enterrada no meu “pet cemetery” particular, debaixo da casuarina no canteiro do fundo da vila,
Desculpe, hermano Francisco, fico te devendo esta, mas tenho certeza de que você é tão legal que essas coisas de beatificação e canonização não te fazem a menor falta, Afinal, você já vive e trabalha em estado natural de santidade.

Crivelices no carnaval...

por Niko Bolontrin

Sobrou para o Simpatia e para a Banda de Ipanema, que nada tinham a ver com a bagunça.
Depois do caos de Copacabana no embalo da Favorita, a prefeitura anunciou que iria mexer na ordem do carnaval de rua, para evitar que dois blocos grandes desfilassem em um mesmo dia. A solução anunciada - em dia de dois blocos maiores ambos saem no mesmo horário - acabou preservando os imensos e poderosos trios comerciais e punindo os blocos tradicionais.
O prefeito Crivella quer obrigar, por exemplo o Simpatia Quase Amor e a Banda de Ipanema a desfilarem a partir das sete da manhã, mesmo horário em que mega trios elétricos ocupam o Centro da cidade, no já apelidado "Circuito Crivella", em homenagem ao similar baiano.
Tradicionalmente e há décadas, os dois blocos de Ipanema saíam às três da tarde e agora serão obrigados a se adequar aos horários dos mega trios comerciais que, ano a ano, ganham relevância no carnaval carioca.
O Simpatia costumava se concentrar em meio a uma festiva multidão na Praça General Osório duas horas de entrar na Vieira Souto. Significa que, para começar a desfilar às sete, muito foliões vão ter que acordar lá pelas quatro da madrugada e já trocar o café da manhã pelo "esquenta" da cerveja que via começar ás cinco.
O Globo diz hoje, embora a matéria não mostre qualquer evidência disso, que a mudança foi um pedido dos "moradores de Ipanema".
É mesmo? Então os não-foliões do bairro vão preferir acordar bem cedo já com o samba nas ruas? Eu, hein?

O mecanismo nazistoide

Nos últimos anos, setores da direita no Brasil têm demonstrado uma certa nostalgia do nazismo. A teoria do "domínio do fato", por exemplo, instrumento autoritário amplamente utilizado em tempos recentes, tem origem nos gabinetes hitleristas. A volta dos integralistas que emulavam o fascismo é outro sinal. O discurso de Roberto Alvim, secretário da Cultura, não surpreende. Até o cenário e a trilha sonora wagneriana do pronunciamento denotam a inspiração que a frase emprestada por Joseph Goebbels explicitou. O secretário deve ter perdido horas montando o seu pequeno palanque, como se criasse sua Odeonsplatz privê. A foto, a cruz, a bandeira, a expressão triunfante. Não foi por falta de aviso, ele mesmo anunciou ao chegar ao cargo que montaria uma "máquina de guerra".
Alvim não está sozinho, cumpria ordens e seguia orientação difundida em vários setores do atual governo. Sua demissão não muda a essência das políticas da divisão Panzer que asfixia a cultura. O secretário, aliás, depois de inicialmente prestigiado após a frase nazista - na verdade, Goebbels assinaria o discurso todo, se voltasse como um zumbi dos anos 30 - só foi demitido em função das reações do Congresso, das redes sociais e das entidades judaicas. No exterior, a fala de Alvim se soma às demais demonstrações da dobradinha neofascismo+neoliberalismo, do desprezo às questões sociais ambientais, à perseguição aos índios e invasão das suas reservas, à supressão de direitos, a censura, o estímulo à intolerância e ao fundamentalismo. Alvim foi despachado, mas as nomeações que deixou à sua imagem e semelhança permanecem como uma ameaça à cultura, à democracia e à liberdade. Ele era apenas uma peça substituível, o mecanismo não foi afetado. O governo brasileiro até se orgulha de fazer parte de um novo eixo de países com ideias muito semelhantes àquelas que o pequeno palanque da Secretaria da Cultura divulgou para o mundo.

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

Fotomemória - Em Copacabana, o carnaval que não acabou em tumulto

Blocos na Avenida Atlântica, 1954; "Os "Pinguins do IAPTEC" foram os campeões
do"banho de mar de Copacabana".. Foto de Salomão Scliar./Reprodução 

Os "Independentes do Leblon" venceram na categoria escolas de samba. Foto de Salomão Scliar/Reprodução

Na Copacabana dos anos 50 o carnaval não acabou em tumulto. Foto Salomão Scliar/Reprodução 

Um fenômeno recente do carnaval carioca - os megatrios comerciais, na verdade shows nada disfarçados - estão em discussão.

Por servirem de palcos para cantores conhecidos e celebridades da TV costumam atrair grandes multidões. Nos últimos anos, já haviam registrado tumultos. Dessa vez, a vítima foi Copacabana, que virou uma autêntica praça de guerra em pleno domingo de sol e com a praia lotada de banhistas que nada tinham a ver com a história.

Em vão, uma semana antes do caos, os moradores recorreram às autoridades na tentativa de mostrar os riscos que um show naquelas condições traria para o bairro e para o público.

Claro que são inevitáveis as mudanças que atualizam o carnaval de rua ao longo do tempo. O fenômeno popular em que os blocos cariocas se transformaram fez a festa democrática renascer em muitos bairros. O sucesso naturalmente atrai produtores de shows e cantores que pegam carona na visibilidade que o Rio proporciona. Para estes, o carnaval de rua é um empreendimento comercial que pede grandiosidade. O show que bagunçou Copacabana, do "bloco" da Favorita, já havia sido proibido de se apresentar no bairro no ano passado. Foi deslocado para o Centro, como outros grandes trios, mas se recusou a sair de Copacabana e não foi pra rua em 2019. Este ano, encontrou uma brecha para ocupar a praia e deu no que deu.
O carnaval da Avenida Atlântica, como esse que a Manchete mostrou em 1954, é apenas memória de uma época. Os foliões de hoje provavelmente tirariam um cochilo enquanto o bloco passasse. Mas diante do que aconteceu no último domingo aquela calmaria daria alguma saudade.

Se o poder público resistir a pressões e ao lobby dos influentes megatrios (basta colocá-los em locais adequados para grandes shows, como o Parque Olímpico e o Maracanã) o carnaval de rua do Rio de Janeiro terá chance de permanecer como uma festa para os cariocas e turistas, sem passar a terrível imagem de caos, como a do último domingo, que, aliás, está repercutindo muito mal na mídia internacional.

O texto da Manchete que acompanhava as fotos acima também era bem mais ameno do que as matérias que relatam o pânico de domingo. "Copacabana já está vivendo o Carnaval de rua há uma semana. E a folia começou na praia exatamente. Saiu do escurinho das boites e do abafado do clubes para o samba livre do asfalto e das areais. Foi o bando de mar a fantasia. Os banhistas não muito carnavalescos se assustaram com a invasão da praia grã-fina por uma multidão de foliões, escolas de samba dançando ao ritmo da cuíca e do tamborim. Copacabana é contraste até no carnaval. Enquanto no Cassino Atlântico, ali no Posto 6, aconteceu um baile onde predominaram as lutas corpo a corpo, os pileques de lança-perfume e a mais desenfreada bacanal, na praia a alegria é pura e realmente carnavalesca".

segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

Prefeitura do Rio promove o caos em Copacabana

Reprodução You Tube
Moradores de Copacabana bem que avisaram e até entraram na Justiça para pedir a proibição do tal show de abertura do carnaval carioca, ontem. Mas havia altos interesses em jogo, da Riotur, Bloco da Favorita, promoters, artistas, hotéis etc e Copacabana não conseguiu se defender.

A Justiça foi cega, surda e deu aval para o caos. Não apenas os moradores de Copacabana foram prejudicados. O show colocou em risco a multidão que disparou em pânico, as pessoas que foram vítimas de bandidos e perderam celulares, dinheiro e documentos, foram expostas a bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo e enfrentaram o sufoco de um metrô superlotado, sem esquema especial.

Milhares levaram horas tentando voltar para casa.

Reprodução Twitter
A grande mídia noticiou, mas não deu tanto espaço assim ao caos, principalmente os principais veículos digitais. Pelo menos em um primeiro momento, a maioria das matérias fez questão de ressaltar, embarcando na defesa dos organizadores, que o tumulto começou uma hora após o fim do show. E daí? O evento atraiu uma multidão e é também responsável pela segurança das pessoas na dispersão. É como se um circo pudesse pegar fogo desde que o espetáculo já houvesse se encerrado.

A triste realidade está nos comentários, fotos e vídeos publicados nas redes sociais e na imprensa internacional.

No mesmo instante em que Copacabana era uma praça de guerra, o Centro da cidade estava deserto e adormecido. Seria o local ideal para o show.  Tem espaço, cinco estações de metrô, avenidas não residenciais e não expulsaria da praia, já por volta da 1 hora da tarde, boa parte dos cariocas de todos os bairros e suas crianças que desfrutavam de um habitual domingo de lazer.

Já que o poder público é inconsequente, artistas e patrocinadores deveriam ter um pouco mais de consciência e não se tornar coadjuvantes desse tipo de caos previsível. Alguma porção da imagem deles também ficou espalhada pelas ruas caóticas e sujas de Copacabana.

domingo, 12 de janeiro de 2020

Racismo e assédio da mídia explicam "asilo" do casal Harry e Meghan Markle no Canadá.

Ao anunciar que deixa de representar a Família Real em protocolos e vai trabalhar para viver, dispensando o subsídio público e as mordomias que sustentam os royals, o casal Harry e Meghan expôs a mídia britânica a novos episódios de racismo.

Megan Markle, na BBC, é apresentada
como "barraqueira". Reprodução 

Pela segunda vez, a BBC é acusada por caricaturar com estereótipos um personagem que representa a americana. No programa Meghan Markle’s Royal Spark, da emissora, ela aparece como uma "barraqueira" que usa linguagem grosseira. Antes, a BBC comparou o recém-nascido herdeiro Archie, a um chimpanzé.

Os tabloides ingleses, principalmente, estão caindo de pau em Harry e Meghan e assumindo a versão de "desrespeito" com a rainha e "traição".
As primeiras análises demonstram que ao decidir pelo afastamento - que as redes sociais apelidaram de Megxit - o casal aponta como motivo precisamente essas duas questões: o racismo e o assédio da imprensa.

Harry carrega o trauma da vida e morte de Diana, sempre perseguida por paparazzi. Meghan admite que não suporta mais as agressões racistas. Eles esperam que ao abdicar da realeza possam criar o filho no Canadá longe do assédio dos tabloides e da intolerância racial. Na prática, optaram por um "asilo" que esperam seja protetor.

sábado, 11 de janeiro de 2020

A mídia neoliberal e o jornalismo de mercado na ilha da fantasia





por Flávio Sépia

Em relação ao governo Bolsonaro, a mídia neoliberal tem, como se vê, duas linhas claras; apoia ferozmente a política econômica, o ajuste fiscal selvagem, os cortes de programas sociais e a supressão de direitos trabalhistas, previdenciários etc, e reserva algum espaço para críticas nos campos ambientais, de educação, política externa e temas de comportamento.

No fim de dezembro, essa mídia exaltou um suposta recuperação da economia, saudou previsões do mercado e passou dias soltando fogos de artifício editoriais a estatísticas, inclusive uma sobre aumento de vendas do comércio no fim de ano que se revelou inconsistente.

Foram os efeitos do espírito de Natal, dos fogos de artifício e do espumante?

O ano virou e a realidade veio à superfície. Inflação acima da meta, ao contrário do que os jornalistas e colunistas de mercado festejaram, queda brusca da produção industrial, explosão do endividamento das famílias, aumentos de produtos, serviços e alimentos, além de queda das exportações e uso das reservas estratégicas em dólar, o que significa começas a queimar o colchão que evita o caos nas contas.

Se no dia da divulgação desses números desfavoráveis a abordagem foi discreta, hoje o assunto praticamente sumiu das primeiras páginas. A exceção é a Folha que, mesmo assim, atribuiu as nuvens negras que jogaram água no chope neoliberal apenas à carne.

A ilha da fantasia começou o ano sob terremoto.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

Tóquio 2020: fabricante avisa que camas da Vila Olímpica são de papelão e só podem suportar duas pessoas de cada vez. Ménages não vão ganhar medalhas...

Reprodução Twitter

por Niko Bolontrin

Duas informações sobre a Olimpíada 2020, em Tóquio, chamam atenção, hoje, das redes sociais.

Uma, é o aviso do Comitê Olímpico Internacional sobre as regras que impedem manifestações políticas durante as cerimônias de abertura, de encerramento ou nos pódios. Os atletas, contudo, não estão impedidos de emitir opiniões em entrevistas nas áreas reservadas à imprensa.

A outra é sobre as camas da Vila Olímpica, que são ecológicas e feitas de papelão. Talvez ciente de que as acomodações dos jovens atletas podem se transformar em um espécie de pódio do sexo, o fabricante Airwave alerta que apenas duas pessoas, de cada vez, podem usar o móvel. Mais do que isso, a cama politicamente correta vai desabar. Ou seja, ménages serão materialmente inviáveis.

Não é segredo a agitação das Vilas Olímpicas onde a testosterona alcança níveis estratosféricos. Basta dizer que na Rio 2016 foram distribuídas 450 mil camisinhas entre os atletas.

Nas redes sociais há que diga que 80% dessas camas de papelão não resistirão às maratonas noturnas.

Sufoco no cafofo do Barbosa

Desde que a bolsonarista Letícia Dornelles foi nomeada para a presidência da Fundação Casa de Rui Barbosa, polêmicas e controvérsias rondam a instituição. A nomeada foi criticada por não ter qualificação para o cargo. A ausência de currículo seria agravada pelo fato de a Casa não é apenas guardar acervos de escritores, mas funcionar como um importante centro de pesquisa literária.
Ao Globo, ela mesma citou como qualificação o fato de ter trabalhado no "Fantástico" e de ter feito um curso de gestora.
A presidente já afastou diretores dos centros de Filologia, História e Direito.
Entre as primeiras realizações de Dornelles estão, segundo O Globo, homenagens a Margaret Thatcher e Ronald Reagan, que serão temas de palestras e exposições. Não por acaso, essa dupla dinâmica da direita é idolatrada pelos bolsominions. A nova presidente alega que tem tudo a ver a celebração da ex-primeira ministra britânica e do ex-presidente estadunidense porque "Rui Barbosa era diplomata", o que, segundo ela, justifica o projeto "Países & Personalidades".
O nome do projeto é aliás, amplo, e pode abrigar qualquer coisa. A presidente não antecipa os próximos homenageados. O que não quer dizer que os apoiadores do novo governo não possam sugerir pautas. Uma exposição sobre a vida e obra do astrólogo Olavo de Carvalho, por exemplo, faria a nova gestão ganhar pontos no Planalto. "Países & Personalidades" é uma parceria da FCRB com o Ministério das Relações Exteriores, hoje um fortim direita radical. A vida do primeiro-ministro da Hungria (Viktor Orbán), outro ícone do governo atual, poderia render um seminário para militantes, assim como o "Terraplanismo e a Literatura". Um evento interessante seria "Um Passeio na Biblioteca de Donald Trump que Rui Barbosa não Conheceu". Tudo bem que o tour vai durar menos de um minuto, mas vale por mostrar esse aspecto desconhecido do maior amigo do presidente brasileiro depois do Queiroz.
Se a Dornelles puder ler algo além das redes sociais bolsonarianas, é recomendável o "Metrópole à Beira-Mar - o Rio Moderno dos Anos 20". Ela vai gostar de um trecho em que o autor, Rui Castro, fala de Ruy Barbosa, quando senador:
"Em 1900, derrubou a emenda que instituía o divórcio no Brasil. Em 1904, votou contra Oswaldo Cruz e a vacina obrigatória. Em 1922, deu o voto decisivo que permitiu a Epitácio Pessoa decretar o estado de sítio na sequência da rebelião do forte de Copacabana. (...). O Brasil deveu a Ruy cinco anos sem garantias constitucionais".
Além do que o livro relata, sabe-se que Rui Barbosa mandou destruir milhares de documentos referentes à escravidão no Brasil.
Tudo isso é praticamente a antecipação do ideário bozoroca que a Casa da Mãe Joana, desculpe, a Casa Rui Barbosa, passa a cultuar.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

Filantropia: nudes para ajudar a Austrália


Reprodução Twitter

Através do seu perfil no Twitter a modelo Kaylen Ward, 20 anos, se comprometeu a mandar fotos nudes exclusivas para quem doar 10 dólares, e comprovar isso, para ajudar as vítimas dos incêndios na Austrália. Ela tem mais de 300 mil seguidores. A modelo alega que após a publicação do apelo filantrópico foi rejeitada pela família e pelo namorado, mas se mantém firme na missão humanitária. Nas redes sociais, Ward informa que já arrecadou 1 milhão de dólares. Ela vem publicando comprovantes de repasses a instiuições australianas.

Trios comerciais invadem o carnaval carioca. É o circuito Crivella de megatrios elétricos

Reprodução O Globo de 09-01-2020

A coluna de Ancelmo Gois (O Globo) noticia hoje uma opinião de Rita Fernandes, presidente da Sebastiana (Associação de Blocos de Rua da Zona Sul ) sobre a invasão dos megatrios comerciais no carnaval do Rio de Janeiro.

De fato, nos últimos anos e no ritmo do lobby, empresários têm conseguido liberar as ruas para trios alienígenas enquanto blocos de bairros ganham vetos ou sofrem dificuldades para atender às exigências oficiais.

A nota cita os trios de Cláudia Leitte, Lexa, Anitta, Ludmila e o sertanejo Chora, Me Liga. Existem outros, como o da Preta Gil e o das Favoritas.

Em geral, impulsionam marcas, divulgam shows e fazem o marketing de cantores que se apresentam em turnês carnavalescas em outras capitais.

O prefeito Marcelo Crivella adota para o carnaval a política de desmonte do Rio que prevalece em sua administração. Trata a festa com desprezo enquanto estimula a invasão de ambulantes nas ruas, deixa as vans à solta, não fiscaliza efetivamente as construções ilegais, se omite no caos das chuvas, permite os cercadinhos vips e a invasão de praias por empreendimentos comercias e quer liberar ruas e encostas para altos gabaritos de espigões.

Crivella odeia o Rio, na verdade. 

Atende a todos, menos à tradição e cultura cariocas.

Segundo O Globo, até 7 de janeiro, mais de 60% dos blocos não tinham ainda autorização da PM e dos Bombeiros (no caso, de responsabilidade estadual) para desfilarem. Um dos encargos: blocos com mais de mil pessoas deve contratar ambulância, maqueiros, médicos e enfermeiros. De um desses blocos foi exigido disponibilizar seis equipes médicas, número difícil de ver até em desabamentos de encostas nas chuvas de verão.

Ao contrário dos megatrios, a maioria dos blocos de bairro que reocuparam a cidade e fizeram o carnaval de rua renascer a partir de iniciativas autênticas e localizadas não tem condições de atender tudo isso. Foram eles que fizeram o Rio voltar a se divertir nas ruas e criaram o fenômeno que hoje atrai milhões de turistas.

É nessa onda que os megatrios empresariais, que podem cumprir os encargos com facilidade, pegam carona.

Pena que, para isso, desloquem o verdadeiro espírito da festa.     

Censura: o segundo atentado contra o Porta dos Fundos

Os sinais do Brasil sob regime arbitrário são agora lançados diariamente. Perseguições, ameaças, preconceitos, mentiras, difamação de opositores, decretos, assassinatos de ambientalistas e índios,  até atentados com artefatos incendiários e a volta da censura. Na mesma semana em que a TV Brasil - onde o veto a determinados temas parece ter se  tornado uma prática editorial - corta trecho de uma reportagem sobre uma exposição que revivia a história do Pasquim, eliminando a referência sobre a prisão dos jornalista na ditadura, um desembargador manda que a Netflix retire do ar o especial humorístico do Porta dos Fundos, a sátira "A primeira tentação de Cristo".
É uma espécie de segundo atentado ao grupo, depois de um bando lançar coquetéis molotov contra a sede da produtora.
O desembargador Benedicto Abicair alegou que "o direito à liberdade de expressão, imprensa e artística não é absoluto", daí a censura. Curiosamente, o mesmo desembargador se manifestou, em 2007, sobre um processo contra Jair Bolsonaro, em argumentação contrária. A propósito de declarações homofóbicas e racista do então deputado no programa CQC, Abicair declarou em seu voto, segundo reportagem do Globo, hoje, que não via como "em uma democracia censurar o direito o direito de manifestação de quem quer que seja".
Ou desembargador mudou de opinião ou deve-se considerar que o Brasil não está mais em uma democracia.
ATUALIZAÇÃO: A Netflix recorreu ao STF e o ministro Dias Toffoli liberou o especial do Porta dos Fundos, cancelando a decisão do desembargador.

terça-feira, 7 de janeiro de 2020

O Brasil vai à guerra no Irã. Verás que os filhos dos outros não fogem à luta








por O.V.Pochê

As redes sociais estão lotadas de memes sobre a crise EUA-Irã. Por enquanto, são piadas, mas tem que esteja levando a sério.
O Brasil já teria avisado a Washington que "estamos aí para o que precisar". Ou seja, se depender do Planalto, o bicho vai pegar. Digamos que o Tio Trump, após bombardear os 52 alvos da terra dos aiatolás, precise enviar tropas terrestres e ligue para o seu ajudante de ordens, o Bozo, pedindo alguns batalhões.
Sabe-se que operações aéreas destroem e matam, mas para conquistar território mesmo, como foi o caso do Iraque, é preciso botar o pé na estrada. É aí que o Brasil pode ser convocado.
O ideal é abrir um voluntariado para formar uma tropa mais motivada. O atual governo tem ministros extremamente bélicos, assim como apoiadores loucos para encarnar os Rambos e Braddocks da nova era. Bolsonaro pode convocar a turma pelo twitter. Deputados, senadores e governadores que foram eleitos na onda do capitão inativo certamente não vão se negar a se alistar nas forças brasileiras que integrarão a coalização que vai botar os aiatolás pra correr.  Olavo de Carvalho pode ser o estrategista principal. O próprio Bolsonaro seria o Churchill tropical. Os zero um, dois e três já estão praticamente treinados para o combate. Damares poderia comandar os pelotões femininos e Janaína Paschoal preencheria a cota de mulheres no Estado Maior. O general Heleno seria o Patton à frente da meia dúzia de tanques brasileiros que ainda rodam. Onyx Lorenzoni poderia ser o motoqueiro do iFood para alimentar as tropas no deserto. O ginasta Diego Hypólito, agora próximo ao clã, cuidaria da preparação física dos soldados. Queiroz seria responsável pela intendência e movimentação financeira da ofensiva. As operações aéreas seriam coordenadas pelo astronauta Marcos Pontes. A equipe do Antagonista se ofereceria para o corpo de correspondentes de guerra ao lado de Ratinho, Sílvio  Santos, Datena e Eliane Cantanhêde. O "bispo" Macedo vai de capelão-mor. Regina Duarte e Márcio Garcia vão  cuidar do entretenimento para as tropas, o que incluirá shows de Gustavo Lima, Zezé di Camargo e Eduardo Costa, entre outros. Mas a festinha após cada batalha vencida ficará por contra de Neymar, o anfitrião das baladas. Empresários não se negarão a trocar seus gabinetes pelas trincheiras. Paulo Skaff faria a Fiesp virar um bravo comando de Seals. Luciano Hang comandaria um batalhão de funcionários da Havan, até uniformes eles já têm. As Lojas Riachuelo podem doar os coturnos de campanha. Dallagnol seria o administrador do grupo de Whatsapp do Alto Comando. As manifestantes que costumam ir às ruas com a camisa da CBF serão enfermeiras-voluntárias e muitas doarão suas ricas aposentadorias para o esforço de guerra.  O jogador Felipe Mello vai se alistar, mas só será utilizado quando os combates entrarem na fase do corpo a corpo.
Após a vitória final, o Brasil, como integrante da coalizão vitoriosa, terá direito a participar do novo governo do Irã. Aí entra o Paulo Guedes que fará as reformas da previdência e trabalhista do país conquistado e privatizará tudo, incluindo as ruínas de Persepólis, que ele não sabe bem pra que servem e que transformará em um condomínio residencial, o "Vivendas de Teerã". Nos campos de petróleo infelizmente não vai poder mexer, é área do Tio Trump.
Como se vê, o Brasil está preparado.
Só falta o Trump dizer quando será o Dia D. Ou melhor, o Dia B.