quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Jornalismo - Eurico Gaspar Dutra dava bolo em entrevista. Literalmente. Marco Aurélio Borba, ex-repórter da Manchete, foi uma das 'vítimas'...

José Maria dos Santos escreve no Jornalistas & Cia sobre Marco Aurélio Borba. Ambos foram repórteres da revista Manchete.
Atualmente, alguns entrevistados quando se negam a falar mandam apenas um "não" via Whatsapp. Isso se não mandarem o jornalista para a p.q.p, como vídeos registram. Nem sempre foi assim. José Maria conta como Eurico Gaspar Dutra ofereceu ao Borba uma mesa farta de chá, pães, bolo, tortas e sucos chá apenas para dizer que não daria entrevista. Veja, abaixo;



Ou clique na imagem para ampliar a matéria completa.

Contra o clima de ódio, atriz Isabela Santoni faz D.R na rede social e pede leveza...


Hasta luego, Brasil






No Brasil e no mundo, jornais repercutem hoje a reação de Cuba, divulgada ontem, às ameaças do presidente eleito Jair Bolsonaro aos profissionais cubanos do Programa Mais Médicos. 
Leia abaixo a matéria que originou a polêmica. 


(do Granma)

Declaração do Ministério da Saúde Pública

"O presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, lançando mão de referências diretas, depreciativas e ameaçando a presença de nossos médicos nesse país, disse e reiterou que vai modificar os termos e condições do Programa Mais Médicos, com desrespeito para a Organização Pan-Americana da Saúde

O Ministério da Saúde Pública da República de Cuba, comprometido com os princípios de solidariedade e humanistas que nortearam a cooperação médica cubana por 55 anos, está envolvido desde a sua criação, em agosto de 2013, no Programa Mais Médicos para o Brasil. A iniciativa de Dilma Rousseff, na época presidenta da República Federativa do Brasil, tinha o nobre propósito de garantir atendimento médico para o maior número da população brasileira, em consonância com o princípio da cobertura universal da saúde, promovida pela Organização Mundial da Saúde.

Esse programa previu a presença de médicos brasileiros e estrangeiros para trabalharem em áreas pobres e remotas daquele país.

A participação cubana na mesma é feita através da Organização Pan-Americana da Saúde e se distinguiu pela ocupação de vagas não cobertas por médicos brasileiros ou de outras nacionalidades.

Nestes cinco anos de trabalho, cerca de 20 mil colaboradores cubanos atenderam 113,3 milhões de pacientes (113.359.000) em mais de 3.600 municípios, chegando a ser atingidos por eles um universo de 60 milhões de brasileiros, constituindo 80% de todos os médicos participantes do programa. Mais de 700 municípios tiveram um médico pela primeira vez na história.

O trabalho dos médicos cubanos em locais de extrema pobreza, nas favelas do Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador de Bahia, nos 34 Distritos Especiais Indígenas, especialmente na Amazônia, foi amplamente reconhecido pelos governos federal, estaduais e municipais daquele país e pela sua população, que concedeu 95% de aceitação, segundo um estudo encomendado pelo Ministério da Saúde do Brasil à Universidade Federal de Minas Gerais.

Em 27 de setembro de 2016, o Ministério da Saúde Pública, em uma declaração oficial, informou perto da data de expiração do contrato e em meio dos eventos em torno do golpe de Estado legislativo. Judiciário contra a presidenta Dilma Rousseff que Cuba «continuaria participando do acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde para a aplicação do Programa Mais Médicos, desde que fossem mantidas as garantias oferecidas pelas autoridades locais», o que foi respeitado até agora.

O presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, com referências diretas, depreciativas e ameaçando a presença de nossos médicos, disse e reiterou que vai modificar os termos e condições do Programa Mais Médicos, com desrespeito para a Organização Pan-Americana da Saúde e o que foi acordado por ela com Cuba, ao questionar a preparação de nossos médicos e condicionar sua permanência no programa à revalidação do título e como única forma a contratação individual.

As mudanças anunciadas impõem condições inaceitáveis ​​e descumprem as garantias acordadas desde o início do programa, que foram ratificadas em 2016 com a renegociação do Acordo de Cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde do Brasil e o Acordo de Cooperação entre a Organização Pan-Americana da Saúde e o Ministério da Saúde Pública de Cuba. Essas condições inadmissíveis impossibilitam a manutenção da presença dos profissionais cubanos no Programa.

Portanto, perante esta triste realidade, o Ministério da Saúde Pública de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do programa Mais Médicos e assim foi comunicado ao diretor da Organização Pan-Americana da Saúde e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam essa iniciativa.

Não é aceitável questionar a dignidade, o profissionalismo e o altruísmo dos colaboradores cubanos que, com o apoio de suas famílias, prestam atualmente serviços em 67 países. Em 55 anos, 600.000 missões internacionalistas foram realizadas em 164 países, envolvendo mais de 400.000 trabalhadores da saúde, que em muitos casos cumpriram essa honrosa tarefa em mais de uma ocasião. Destaque para as façanhas da luta contra o Ebola na África, a cegueira na América Latina e no Caribe, a cólera no Haiti e a participação de 26 brigadas do Contingente Internacional de Médicos Especializados em Desastres e Grandes Epidemias «Henry Reeve» no Paquistão, Indonésia, México, Equador, Peru, Chile e Venezuela, entre outros países.

Na esmagadora maioria das missões concluídas, as despesas foram assumidas pelo governo cubano. Da mesma forma, em Cuba, 35.613 profissionais de saúde de 138 países foram capacitados gratuitamente, como expressão de nossa solidariedade e vocação internacionalista.

Aos colaboradores lhes foi mantido, em todos os momentos, seu posto de trabalho e 100% do seu salário em Cuba, com todo o trabalho e garantias sociais, tal como aos outros funcionários do Sistema Nacional de Saúde.

A experiência do Programa Mais Médicos para o Brasil e a participação cubana no mesmo demonstram que um programa de cooperação Sul-Sul pode ser estruturado, sob os auspícios da Organização Pan-Americana da Saúde para promover seus objetivos em nossa região. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e a Organização Mundial da Saúde qualificam-no como o principal exemplo de boas práticas na cooperação triangular e na implementação da Agenda 2030 com os seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Os povos da nossa América e do resto do mundo sabem que sempre poderão contar com a vocação humanista e solidária de nossos profissionais.

O povo brasileiro, que fez do programa Mais Médicos uma conquista social, que teve confiança desde o início nos médicos cubanos, aprecia suas virtudes e agradece o respeito, sensibilidade e profissionalismo com que eles o atenderam, e será capaz de entender sobre quem recai a responsabilidade que nossos médicos não possam continuar fornecendo sua contribuição de solidariedade naquele país."

Havana, 14 de novembro de 2018

Fotografia: Cristina De Middel, que morou no Rio, faz ensaio para a Magnum sobre "luta" de atletas mexicanos contra o muro de Donald Trump


A fotógrafa espanhola Cristina De Middel trabalhou em um projeto sobre a rota de migração da América Central, um dos percursos mais perigosos do mundo.

Faz parte do grande ensaio uma série de fotografias exibidas pelo site da Magnum que mostram atletas mexicanos em um embate visual contra o muro que divide trechos da fronteira entre México e Estados Unidos.

O muro é mais notícia do que nunca - no momento em que Donald Trump decidiu ampliá-lo e dotá-lo de equipamentos letais - e às vésperas da chegada de uma enorme caravana de migrantes que terá a esperá-la forças militares americanas.

Cristina De Middel morou um tempo no Rio de Janeiro, onde fotografou favelas. Da sua temporada carioca resultou o livro Sharkification, sobre a rotina nos morros da cidade.

VEJA NO SITE DA MAGNUM AS FOTOS DO ENSAIO NA FRONTEIRA. AQUI

Lennon & Pelé: uma tabelinha astral • Por Márcio Pinheiro

• Lennon tocando na quermesse da igreja de St. Peter em Liverpool, no sábado,
6 de julho de 1957, dia em que conheceu Paul McCartney..
Foto Reprodução The Beatles Bible

• Pelé estreando na seleção no Maracanã, domingo, 7 de julho de 1957
e marcando o primeiro dos seus 95 gols na seleção.
Foto CBF

por Márcio Pinheiro (*)

Vou falar das incríveis 24 horas que aproximaram as estreias de dois dos maiores gênios do século 20. Nunca vi nenhum astrólogo ou estudioso do tema ter comentado a estranha, singular e genial conjunção astral que marcou as 24 horas (ou menos) que unem o dia 6 de julho de 1957 (quando John Lennon fez sua “estreia como pré-beatle”) com o dia 7 de julho de 1957 (quando Pelé fez a sua estreia pela Seleção).

Lennon e Pelé nasceram no mesmo ano (1940) e no mesmo mês (outubro). Lennon, no dia 9 e Pelé no dia 23 (ambos nasceram numa quarta-feira). John tinha, portanto, 16 anos e nove meses quando, já à frente do grupo Quarrymen, se apresentou no pátio da igreja de St. Peter, no bairro de Woolton, em Liverpool. Era uma festa ao ar livre, uma espécie de quermesse, com barracas e jogos. O grupo tocou em cima de um caminhão (em movimento!!!!) e o que ficou de mais relevante deste show foi o primeiro aperto de mão entre Lennon e McCartney, então um jovem de 15 anos que chegou ali levado por outro músico da banda, Ivan Vaughan. Este encontro seria o primeiro passo para o surgimento do maior quarteto musical de todos os tempos.

No dia seguinte, 17 de julho, Pelé (então com 16 anos, 8 meses e 14 dias) entrou em campo pela primeira vez na seleção brasileira na tarde de domingo no Maracanã, Foi no começo do segundo tempo de Brasil x Argentina, jogo válido pela Copa Roca. Pelé saiu do banco para substituir o atacante Del Vechio. Com 30 minutos em campo, Pelé deixaria sua marca, fazendo o único gol do Brasil na derrota de 2 X 1 para a Argentina – o primeiro dos seus 95 gols pela seleção. No segundo jogo, no Pacaembu, ele já entra como titular e ajuda a dar o título ao Brasil, que ganha da Argentina por 2 x 0, gols de Pelé e Mazzola.

Pelé levaria ainda mais 10 meses (ou 315 dias) para encontrar o seu McCartney. Ele e Garrincha só fariam sua primeira partida juntos em 18 de maio de 1958. A música, o esporte, a cultura pop e a vida mundial não seriam mais as mesmas depois destas duas datas.

* MÁRCIO PINHEIRO é jornalista, idealizador e curador de conteúdo do site AmaJazz e mora em Porto Alegre.


terça-feira, 13 de novembro de 2018

Memória da propaganda: "não saia sem guarda-chuva"...



Em novembro de 1968, o Banco Nacional lançava nas revistas uma campanha que prometia "lucro certo" para investidores. Um guarda-chuva dominava a cena.

O guarda-chuva, aliás, tornou-se na década seguinte uma espécie de símbolo do banco mineiro, que dava de brinde aos clientes o utensílio com o logotipo da instituição.

A campanha ainda estava na mídia quando a ditadura lançou o AI-5, em 13 de dezembro de 1968. A partir do ato institucional que suspendeu garantias constitucionais, inclusive o habeas corpus, e abriu caminho para a institucionalização da tortura e dos assassinatos políticos, a barra pesou. Houve uma onda de prisões de jornalistas, escritores, artistas, funcionários públicos, estudantes, sindicalistas e políticos.

No Rio de Janeiro, entre militantes, foi adotada uma senha de alerta. Quando se sabia que determinada pessoa havia sido presa, significava que vários dos seus amigos ou contatos entravam em alto risco de sequestro por parte da frota de Veraneio, o sinistro utilitário usado pela repressão. A senha para tomar cuidado ou mudar de endereço era passada por telefone ou bilhetes - "Não saia sem guarda-chuva". Pelo menos um recorte da campanha acima foi colado em um corredor da Escola de Comunicação da UFRJ, na Praça da República.

O Banco Nacional, a propósito, pertencia a Magalhães Pinto, chamado de "líder civil" da ditadura e um dos signatários do AI-5.


Reprodução Jornal do Brasil

A relação entre alertas políticos e a meteorologia não era exclusividade dos militantes ou dos alvos em potencial da repressão. O Jornal do Brasil do dia 14 de dezembro de 1968, um sábado, noticiou a edição do Ato Institucional e, no alto da página, à esquerda e à direita, incluiu duas mensagens: a previsão anunciando dias sufocantes e a informação de que 13 de dezembro era o Dia dos Cegos. Foi a forma que Alberto Dines, então editor do JB, encontrou, há 50 anos, para denunciar a censura imposta à redação pelo AI-5.

Não custa deixar seu guarda-chuva por perto.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Grande Joel! • Por Roberto Muggiati


Joel Barcelos (1936-2018)
por Roberto Muggiati
Escrevo uma mera nota de pé de página à biografia do ator e militante Joel Barcelos, morto no sábado, 10 de novembro, em Rio das Ostras, RJ, aos 81 anos.

Em julho de 1962, eu estava em Curitiba, de volta de dois anos em Paris, mas já com um pé em Londres, com contrato assinado para trabalhar no Serviço Brasileiro da BBC. Rolava em Curitiba um megaevento cultural e político que aqueceu de uma maneira insana o inverno da cidade. Para lembrar os que já esqueceram e informar aos que nem eram nascidos: Jango Goulart, o vice que, depois do tresloucado gesto de Jânio da Silva Quadros, assumiu a Presidência da República, sob resistência das alas reacionárias, tentava conviver com um regime parlamentarista canhestro, o Brasil nunca tivera familiaridade com estas políticas civilizadas. Agitação nas ligas rurais, nos sindicatos, nos transportes e nos portos, nas famílias católicas e, principalmente, entre os estudantes.

Foi nesse quadro que surgiram os Centros Populares de Cultura, os CPCs, organizadíssimos e associados à União Nacional dos Estudantes (UNE). Sua atuação básica consistia em criar e divulgar uma "arte popular revolucionária” e exigir do artista que ele fosse “engajado”.

O evento de Curitiba centrava-se em teatro e artes cênicas. Joel Barcelos era um dos manda-chuvas dos CPCs. Alguém soprou para ele que eu tinha diploma de inglês de Cambridge (o Proficiency da Cultura Inglesa), então ele me chamou às armas. Recebeu-me numa sala de escritório (provavelmente cedida por um daqueles “bons burgueses” da época). Foi direto: intimou-me a dar uma palestra provando que Shakespeare e o seu teatro eram comunistas. Topei – por que não? – ele estava coberto de razão...

Ileana Kwasinski
No dia marcado para a aula magna, no esqueleto do Teatro Guaíra, ainda em construção, aparecem-me duas gazelas extraviadas: Leila Santiago de Oliveira e Ileana Kwasinski. Sem maiores dificuldades, provei às duas que Shakespeare era comunista, sim! Ileana deve ter acreditado na minha lorota e já no ano seguinte estreava como atriz na peça de Millôr Fernandes Um elefante no caos. Teve uma bela carreira no cinema, teatro e TV, casou com o ator Claudio Correa e Castro, com quem teve um filho, pena que o câncer a tenha levado tão cedo, aos 54 anos.

Quanto ao Joel Barcelos, nunca mais o vi, a não ser valente sempre nas telas do cinema novo e ainda na TV.

O epílogo daquela temporada dos CPCs em Curitiba foi que eu e um amigo pegamos uma carona no majestoso Bentley de Gianni Ratto para o Rio de Janeiro. Depois de dois dias de viagem – alegando que morava em Santa Teresa e não podia nos levar até Ipanema, nosso destino final – o britânico italiano nos desovou na porta do Hotel Novo Mundo, no Flamengo. Tremenda coincidência. Mal imaginava eu que, três anos depois, iria trabalhar na Manchete e, nos longos anos do Russell (1969-2000), encontraria no bar do Novo Mundo um porto seguro para todas as nossas tormentas no tumultuado mar dos Bloch...

sábado, 10 de novembro de 2018

E lá se foi o pai do chabadabadá. . . • Por Roberto Muggiati

Francis Lai (à direita) e Claude Lelouch, em 2016. Foto Champs-Élyséees Film Festival. 


por Roberto Muggiati 

O cara era tão importante que sua morte foi anunciada pelo Prefeito de Nice, na última quarta-feira, 7 de novembro. Francis Albert Lai, filho de hortigranjeiros italianos nascido em Nice, era apenas um obscuro músico de boate em Paris quando o sucesso o atropelou para o resto da vida em 12 de julho de 1966, dia em que foi lançado o filme de Claude Lelouch, Um homem, uma mulher, com a trilha sonora assinada por Lai.

A musiquinha tema do filme era dessas que grudam, com seu refrão chabadabadá, chabadabadá entoado por um corinho feminino. Quem entende das coisas e conhece bossa nova viu logo a influência das primeiras frases de O Barquinho, composto na virada de 1960-61 por Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli, letrista literalmente foragido da sala de reportagem da revista Manchete. Experimentem colocar um chabadabadá-chabadabadá logo no início da música no lugar de “e o barquinho a deslizar no macio azul do mar.” Aliás, o namoro com a bossa nova era aberto: o filme de Lelouch traz também na trilha o Samba da bênção, de Baden e Vinícius, traduzido e cantado em francês por Pierre Barouh e rebatizado de Samba Saravah.

O oposto do discurso político de Jean-Luc Godard, Claude Lelouche fazia um cinema digestivo no estilo dos comerciais de televisão. (Muitos o chamavam de Le Louche – “louche” em francês quer dizer “vesgo”, mas tem o sentido figurado de “duvidoso”, “inconfiável”.) Lai fazia uma música agradável, fácil de digerir, coisa também de anúncio de TV.

Mas não posso deixar de admitir que uma das canções que mais evoca para mim a atmosfera eufórica e inocente do Ano da Flor, 1967, é o seu tema para outro filme de Lelouch, Viver por viver. A história é um triângulo amoroso entre Yves Montand, correspondente de guerra, sua mulher (Annie Girardot) e a amante (Candice Bergen) – todos no auge do seu charme e beleza. (Cinco anos antes Godard filmou Vivre sa Vie: a semelhança com Vivre pour vivre é brutal, Lelouch gostava de cutucar o suíço...) Enfim, vão longe os doces tempos do chabadabadá, hoje o que temos é o blábláblá dos medíocres que nos oprimem e o ratatatatá da violência que corre solta.

Para ouvir as canções:

Um homem, uma mulher AQUI
O Barquinho AQUI
Viver por viver AQUI

Submarino Amarelo - o livro psicodélico que mostra os Beatles lutando contra os Blue Meanies para evitar que Pepperland se transforme em uma paraíso sem partido está de volta, agora em formato de quadrinhos

por José Esmeraldo Gonçalves

O jornalista e escritor Elio Gaspari levantou a tese: 50 anos depois, 1968 finalmente terminou.

Será?

Gaspari se refere a ascensão da direita radical nas últimas eleições brasileiras, rasgando bandeiras e slogans dos jovens da década de 1960, sepultando uma era e conduzindo o país literalmente "aos costumes", jargão utilizado por antigos delegados de polícia ou "otoridades" de plantão quando determinavam a prisão de um indigitado qualquer da vez.

Faz sentido.

A geração de 1968 denunciava o militarismo, os de hoje, pelo menos os vitoriosos nas urnas, pedem a volta da ditadura; as passeatas daquela época reagiam contra prisões, torturas e assassinatos políticos; hoje, pedem a reativação de tudo isso contra os "esquerdistas", que são praticamente todos aqueles que não concordam com o "programa de governo" do grupo que chega ao poder; em 1968, o regime  moralista não ousou enquadrar o sexo livre, que agora parece provocar náuseas conservadoras, tanto que será criado o Ministério da Família para cuidar do "furo íntimo", como diria Millor Fernandes, ou regulamentá-lo e até estatizá-lo.

É possível, portanto, teorizar no sentido oposto: 1968 vai precisar é de um recomeço, naturalmente retrofitado. E de resistência. Pelo menos um dos símbolos pop daquela época já está de volta. O ano que, segundo Zuenir Ventura, não terminou, foi também o do lançamento do filme Yellow Submarine, dos Beatles. Para marcar a data, a editora Darkside lança uma edição em quadrinhos da história, adaptada pelo diretor e artista Bill Morrison, autor dos Simpsons. Além disso, o célebre longa-metragem criado pelo produtor Al Brodax e o diretor Bob Balser, e desenhado pelo estúdio do alemão Heinz Edelman, foi recentemente restaurado a partir dos negativos. Cada um dos 130 mil fotogramas foi trabalhando para recuperar cores e dinâmica originais do filme que se baseou nas músicas do disco  "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" lançado em 1967.

Yellow Submarine em formato clássico de quadrinhos é novidade, mas já em 1968, no mesmo o ano em que o filme foi lançado, chegou ao mercado uma versão em livro da viagem psicodélica dos Beatles a Pepperland. com os desenhos originais do longa.  Um exemplar resistiu na minha estante até os dias de hoje. Na versão brasileira, da editora Expressão e Cultura, Pepperland, o paraíso submarino do Sargento, ganhou a tradução tosca para Pilantrália, que rementia a Carlos Imperial e a Turma da Pesada em voga na época. Expressões como "superbacana", "vou deixar cair", "alegria, alegria" e os quatro "camaradinhas" também vinham dessa fonte nada psicodélica, mas não comprometeram o clima. Os vilões Blue Meanies, os malvados azuis, viraram Azulões. São eles que comandam a milícia de terríveis monstros que os Beatles enfrentam para evitar a destruição de Pepperland, terra de amor, liberdade e música, e salvar o mundo onde vive o Sargento Pimenta.


A capa da edição de 1968

A equipe que trabalhou na versão brasileira.  O escritor e jornalista Carlinhos de Oliveira , na época redator da Manchete, deu "apoio moral", fosse lá o que isso significava. 

A fúria dos Azulões que chega ao poder e tenta destruir um paraíso submarino onde o amor , a liberdade e a música vencem o ódio.  Qualquer semelhança...

A ditadura dos Azulões aplaude e incentiva os dedos-duros representados por uma luva com o indicador em riste. Eles querem que Pepperland seja uma terra sem partido.

Reproduções de "Os Beatles - Submarino Amarelo' - Editora Expressão e Cultura, 1968

A capa da edição de 2018, lançada há poucas semanas pela Darkside...

...agora em formato de quadrinhos assinados por Bill Morrison. Reproduções

100 anos: primeira página, Primeira Guerra


Às 11 horas do dia 11, mês 11, de 1918, foi assinado o Armistício que pôs fim à Primeira Guerra Mundial (1914-1918), uma das mais brutais de todos os tempos. No dia seguinte, Le Figaro celebrava em três edições seguidas (acima, a reprodução da terceira) a vitória na primeira página. A paz era a notícia, mas o acordo plantava, nas entrelinhas e ao mesmo tempo, as sementes da Segunda Guerra Mundial, igualmente trágica, que seria deflagrada 21 anos depois.

Reprodução/Twitter

Hoje, em Paris, o grupo Femen protestou diante do Arco do Triunfo contra a presença de chefes de Estado na França para as comemorações dos 100 anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Para as ativistas, vários deles são ditadores, criminosos de guerra, e muitos dizem celebrar a paz enquanto fomentam a guerra, oprimem povos e financiam o terrorismo.

Quem avisa amigo é...


Brasil na mídia global: Sujou!


Fotografia: Madame Figaro de perna torta... Vacilos do photoshop

Reprodução Twitter

por Clara S. Britto

Produção sofisticada, foto perfeita. Pena que o photoshop quase desmembrou a perna direita da modelo. Com vinte centímetros a mais, no mínimo, a pernoca ainda ganhou do diretor de arte um joelho extra e aparentemente invertido. Ainda bem que a moça está recostada sobre a grama. Com essa anatomia seria impossível ela ficar em pé, quanto mais andar. 

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Leila Diniz: bem-vinda ao Clube 27 • Por Roberto Muggiati

Leila Diniz a capa da Manchete, aos 27 anos, em 1972,
ano em que morreu em acidente de aviação.

Robert Johnson

por Roberto Muggiati 

Uma coisa puxa a outra. Walterson Sardenberg Sobrinho, que trabalhou muito tempo na Manchete de São Paulo e atualmente edita a revista The President, me pediu um texto sobre os 80 anos da morte do cantor e compositor de blues Robert Johnson.

Johnson – que influenciou nove entre dez roqueiros dos anos 60 – morreu aos 27 anos, inaugurando uma estranha confraria, a dos músicos e artistas mortos com esta idade.

Brian Jones

Jimi Hendrix

Janis Joplin na Manchete, em 1970, aos 27 anos, oito meses antes de morrer. 

Jim Morrison

Kurt Cobain

Amy Winehouse. Fotos Divulgação
A fila começou a andar e, muito rapidamente, a partir de 1968 com a morte misteriosa em sua piscina do ex-guitarrista dos Rolling Stones, Brian Jones, em julho de 1969. Em rápida sucessão, partiram, em 1970, Alan “Blind Owl” Wilson, guitarrista do Canned Heat (3 de setembro, overdose de barbitúricos, possível suicídio); Jimi Hendrix (18 de setembro, asfixia no próprio vômito, em Londres); Janis Joplin (4 de outubro, overdose de heroína num motel de LA); Jim Morrison , do The Doors (parada cardíaca em 3 de julho de 1971, como Marat, numa banheira, em Paris); Ron “Pigpen” McKernan, do Grateful Dead (8 de março de 1973, de hemorragia gastrointestinal); o artista plástico Jean-Michel Basquiat, exaltado atualmente  por uma megaexposição no CCBB do Rio (12 de agosto de 1988, de overdose de Speedball); o líder do Nirvana, Kurt Cobain (5 de abril de 1994, suicídio com espingarda); Amy Winehouse (23 de julho de 2011, envenenamento alcoólico.)

Nunca soube de algum brasileiro neste seleto clube, mas desconfiei de dois, e errei por pouco: Noel Rosa, apressado, morreu a sete meses de completar 27 anos; e Torquato Neto, -  pasmem! – suicidou-se um dia depois de completar 28 anos.

Uma discussão recente sobre o nome Janaína, que só passou a existir no Brasil depois que Leila Diniz assim batizou sua filha, gerou outra discussão sobre a morte de Leila, se aconteceu na Índia, se no Japão. Na verdade, ela voltava em 1972 de um festival de cinema na Austrália, onde ganhou o prêmio de melhor atriz pelo filme Mãos vazias, quando o voo 471 da Japan Air Lines caiu em Nova Delhi no dia 14 de junho num  desastre sem sobreviventes. Leila Diniz morreu com 27 anos.

Que eu saiba, ninguém até hoje fez essa associação. Bem-vinda – de uma maneira bem gauche - Leila Diniz, ao Clube 27!

Maria Bonita. Reprodução

Em tempo: graças à dica do fotógrafo e amigo Ricardo Beliel, incorporo à lista a baiana Maria Gomes de Oliveira – a Maria Bonita companheira de Lampião – morta em 28 de julho de 1938, quando o bando de dez cangaceiros foi atacado de surpresa e exterminado na Grota de Angicos, em Poço Redondo (Sergipe), pela polícia armada oficial, conhecida como "volante". Ela foi degolada por 'Sebastião do Facão' ainda viva, depois de baleada no abdome. Maria Bonita tinha 27 anos e antecedeu Robert Johnson no Clube.


quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Há 50 anos • BEATLES: Caetano traduz o “álbum branco” para a Veja • Por Roberto Muggiati

Veja/Reprodução/Clique 2x para ampliar

Veja/Reprodução/Clique 2x para ampliar


Veja, 1968
por Roberto Muggiati

Na saída do filme Zuza Homem do Jazz, no Festival de Cinema do Rio, meu amigo Tárik de Souza, que trabalhava comigo na Veja em São Paulo há 50 anos, me faz uma reclamação – justíssima – com todo o peso de meio século.

Realmente, na matéria que publiquei no Panis sobre o turbulento primeiro ano da revista semanal de informação da Abril, esqueci de registrar outro feito da nossa editoria de Artes e Espetáculos. Em 22 de novembro de 1968 – uma sexta-feira – saía na Inglaterra o lendário “álbum branco” dos Beatles.

Seguindo as instruções de uma operação planejada com o rigor do lançamento de um foguete da NASA, nosso correspondente em Londres correu a uma grande loja de discos e comprou o vinil duplo, despachando-o imediatamente pelo malote da Varig para São Paulo. Na segunda-feira, 25/11, eu recebia o precioso álbum na redação e naquela noite mesmo, Tárik de Souza, repórter de música, ia buscá-lo em minha casa no Pacaembu e o levava esbaforidamente no seu Jeep para o apartamento de Caetano Veloso, na Avenida São Luís.

O tropicalista traduziu seis letras das trinta totais do revolucionário disco, que trazia as posturas politicamente ambíguas de John Lennon em Revolution 1 e Revolution 9.  Elas saíram publicadas na edição de 11 de dezembro de 1968 (prestem atenção: dois dias antes da sexta-feira 13 que nos brindou com o AI-5...).

A capa daquela edição era um besteirol pop sobre Pelé enquanto a Copa do México não vinha.

Curiosamente: a Realidade, mensal da Abril, foi na cola de nossa ideia e encomendou a tradução de letras do “álbum branco” a Carlos Drummond de Andrade. Se não me engano houve duas coincidências: Caetano e Drummond traduziram o curto e grosso Why Don’t We Do It In The Road?/Por que a gente não faz na estrada mesmo? e Blackbird/Pássaro preto. Pena que eu não tenho à mão as traduções do Drummond, mas posso garantir que foi um duelo mortal entre nossos dois grandes poetas, o mineiro e o baiano. Ah, sim, um detalhe típico daqueles Anos de Chumbo que começavam. Não conseguimos pagar o cachê combinado com Caetano porque ele estava preso incomunicável em local ignorado. Acho que o dinheiro depois foi repassado ao seu empresário Guilherme Araújo, quando Caetano e Gil iniciavam seu exílio londrino.

terça-feira, 6 de novembro de 2018

"Tá OK? Vamos invadir a China": essa guerra pode passar na sua timeline...



Peter Sellers em "O rato que ruge". 

As tropas do Grand Fenwick conquistam uma grande potência. 

O cartaz da comédia lançada em 1959

por Ed Sá 

Em 1959, no auge da Guerra Fria, foi lançado o longa "O rato que ruge" ("The mouse that roared"), baseado no livro do escritor irlandês Leonard Wibberley.

O filme contava a história de um pequeno pais europeu, o fictício Grand Fenwick, que estava em crise econômica. Seu líder imaginou salvar o país criando o que deveria ser uma explosiva fake news geopolítica: invadir os Estados Unidos.


A intenção era perder a guerra, obviamente, e com isso descolar uma ajuda econômica pós-derrota, algo como um Plano Marshall de reconstrução. O Grand Fenwick preparou sua tosca força invasora equipada com arcos e flechas e desembarcou e Nova York. Por terrível coincidência, a cidade estava deserta: havia sido evacuada por causa de uma ameaça de bomba nuclear. Os briosos fenwickianos invasores encontraram um único cientista, que se rendeu. Só que o homem era físico nuclear e tinha desenvolvido uma poderosa bomba que foi capturada pelos invasores. Com isso, as tropas de Fenwick "ganham" a guerra. E um problemão: o que fazer com a inesperada vitória e o país conquistado?

Segundo sucessivas declarações, o presidente eleito do Brasil, ao contrário de Fenwick, é aliado dos Estados Unidos, não vai invadir Washington, mas segue o modelito Donald Trump e ameaça romper com uma grande potência, a China, com os países árabes, com Cuba, com o Mercosul e com a Venezuela que, dizem os comentaristas internacionais, pode até ser invadida.

Tudo a ver: essa comédia pode até voltar à sua timeline.

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Manchete - Desmemória da redação: o documentário que não aconteceu...


Pouco depois do lançamento da coletânea "Aconteceu na Manchete, as histórias que ninguém contou", em 2008, surgiu o projeto de um documentário sobre a Manchete, tendo o livro como inspiração.

Basicamente sobre os bastidores da revista em várias épocas, seus personagens, a vida como ela era, o bom humor que desafiava as pressões rotineiras da profissão, lendas e folclore, a tensão dos fechamentos, a busca de qualidade e a cobrança natural por venda em bancas de cada um dos títulos da editora. a cultura peculiar da casa, a patologia, enfim, do organismo que habitava o Russell,

A Rede Manchete, presente em cruzamentos com as revistas, também era focalizada.

O título provisório dava uma pista da grande angular do filminho "Manchete: Dementia Omnia Vincit". Era essa a divisa não autorizada que Carlos Heitor Cony criou para Adolpho Bloch. "A loucura sempre vence". O dístico resumia a ousadia, os defeitos e os acertos, o ímpeto e a  inconstância, o instinto e o impulso que construíram o império editorial que simbólica e efetivamente partiu junto com o seu criador. Parecia definir a coisa toda, embora o documentário não pretendesse retratar Adolpho Bloch. O foco, diria um Darwin paraguaio, era apenas vasculhar a biosfera das redações, a evolução e a involução daquele habitat envelopado pelo prédio de Niemeyer.

Com o roteiro formatado, os autores começaram a sondar algumas consultorias de captação de patrocínio ao mesmo tempo em que pediam registro da obra na Biblioteca Nacional.

Surpreendentemente, o registro foi negado sob o argumento de potencial violação dos direitos de imagem de pessoas citadas no roteiro. Ora, a maioria seria entrevistada a partir, obviamente, da concordância em participar do projeto. Autorizações seriam providenciadas. À BN cabia registrar o direito de criação. Restaram os rumores de que uma furtiva ação entre "amigos" teria "sensibilizado" a decisão da burocracia. Na verdade, segundo advogado consultado na época, o veto  oficial era frágil e não foi isso que impediu a realização do documentário. A dificuldade em viabilizar o curta e a falta de tempo dos envolvidos, sem possibilidade de dedicação exclusiva ao projeto, deixaram o "Dementia" na gaveta.

O roteiro descrevia a curiosa abertura do documentário. Nos seus tempos de Manchete, o diagramador J.A. Barros tinha como hobby esculpir em isopor algumas figuras das redações da Bloch. Eram charges em 3D, algumas vinham até com legendas. Barros, que trabalhou em O Cruzeiro, onde conviveu com grandes chargistas como Péricles, o genial criador do Amigo da Onça, e Carlos Estevão, autor de uma famosa série de desenhos chamada "As aparências enganam", interpretava com ironia as características de diretores, redatores e repórteres das revistas.

Pois os bonequinhos do Barros seriam convidados para apresentar o "Dementia". A abertura mostraria o próprio Barros em seu ateliê, desenhando e colando as peças de isopor que aos poucos formariam ambientes e personagens da história a ser contada.

Depoimentos, imagens do arquivo fotográfico da Manchete, na época ainda não leiloado nem desaparecido, coleções das revistas, material de acervos pessoais, vídeos jornalísticos e particulares, cenas da mobilização de ex-funcionários na luta pelos seus direitos, após a falência, imagens de salas abandonadas às pressas durante uma ação intempestiva de oficiais de justiça que lacraram o prédio, completavam o projeto que não aconteceu.

Era tudo verdade, mas faz parte. Até Orson Welles deixou inconcluso o seu documentário It's all true".
Dito isso, aqui entram os devidos emojis de smiley: 

A ARTE EFÊMERA DE J.A.BARROS

J.A.Barros transformou em figuras muita gente da velha Bloch. Mas, infelizmente, suas frágeis  esculturas eram arte efêmera. Nem o próprio artista guardou suas caricaturas em 3D. A técnica era simples. Ele fazia o desenho colorido sobre papel branco que, em seguida, recortava e colava sobre uma pequena placa de isopor. Aí aparava cuidadosamente o conjunto, obedecendo ao contorno marcado pelo desenho e adicionava uma espécie de minipedestal. 




Os exemplares reproduzidos acima são raríssimos e pertencem aos arquivos de um dos caricaturados, Roberto Muggiati, então diretor da Manchete, chefe imediato do artista e saxofonista nas horas que afinal importam: as vagas.