terça-feira, 25 de julho de 2017

Ele&Ela, primeira e única

Por Roberto Muggiati

1969: EleEla número 1
Por pura desinformação, falta de memória ou preguiça de apurar – o Globo de hoje afirma categoricamente (no obituário de Domingo Alzugaray) que foi Status, lançada em 1974, “a primeira revista masculina do Brasil”.

Ora, as primícias nesse segmento do mercado editorial, para uma grande editora, couberam à Bloch, que lançou em 1969 a mensal Ele&Ela. Contribuo aqui com uma memória pessoal, já que trabalhei lá, como chefe de redação, em 1971 e 72, quando o editor era Carlos Heitor Cony.

Assim, como Pais&Filhos (franquia da alemã Eltern), lançada meses antes, Ele&Ela tinha direito aos serviços editoriais de outra mensal alemã, a Jasmin – serviços nunca usados, tal a disparidade entre as cabeças do brasileiro e do germânico. Cony e equipe saímos logo em campo para dar uma cara bem carioca à revista.

A principal dificuldade é que estávamos nos primeiros anos do AI-5, que proibia fotos nuas: as mulheres publicadas na Ele&Ela apareciam com as partes mais interessantes bem cobertas, não usavam sequer biquíni, mas aqueles duas peças enormes que só frustravam os leitores.

Seja como for, conseguimos criar uma revista masculina agradável e inteligente, forrada de bons textos. Entre os colaboradores, estavam os escritores João Antônio, José Carlos de Oliveira, Paulo Mendes Campos. Na redação, o jornalista e escritor Mário Pontes, o jornalista e cinéfilo Paulo Perdigão, a iniciante Susana Schild (hoje renomada crítica de cinema) e o crítico de arte Flávio de Aquino – que, com sua cultura fenomenal, escrevia praticamente sobre tudo.

O carimbo da censura prévia nos Anos 70.
Apesar de nossa cautela para evitar encrenca, tivemos alguns exemplares censurados. Antes de seguir para a impressão na gráfica de Parada de Lucas, a revista, em arte final, era submetida – não sei por que cargas d’água – a uma censora. (Recordei há pouco, aqui no Panis, um episódio bizarro em que a dita senhora recebeu o contínuo Neto de peignoir, numa clara tentativa de assediá-lo.)

Para profissionais que começaram a carreira trabalhando em jornal – e encarando o fechamento nosso de toda noite – fazer uma revista mensal era moleza. Mas, como éramos todos muito inquietos, nosso momentos de lazer serviram para darmos vazão a projetos pessoais. Cony concebeu nessa época o que ele considera sua obra máxima de ficção, o romance Pilatos, publicado em 1974.

A partir de um texto publicado em Ele&Ela – A perigosa viagem do som – escrevi o livro Rock: o grito e o mito/A música pop como forma de comunicação e contracultura, lançado em 1973 (o editor da Vozes, Mário Pontes, sentava ao meu lado na redação). El grito y el mito saiu em espanhol pela Siglo Veintiuno, editora de Borges e Cortázar, e vai ser relançado em breve pela Azougue.

Paulo Perdigão também ruminava o livro genial que escreveria depois sobre a derrota do Brasil para o Uruguai em 1950, Anatomia de uma derrota. Perdigão foi a única pessoa que conheci capaz de conciliar obsessões aparentemente díspares como o Maracanazo, o pensamento de Sartre (ele traduziu O Ser e o Nada) e o filme Shane/Os brutos também amam, ao qual assistiu (não é exagero) centenas de vezes.

Éramos uma pequena família. Pontualmente às seis da tarde, Cony cerrava, material e simbolicamente, as cortinas da redação (ficava no sétimo andar, de frente para a Baía de Guanabara) – foi por essa janela que assisti à minha última chuva de granizo.

Fazendo o tipo paizão, Cony dava carona ao pessoal da Zona Sul, com direito a uma parada no Leme, onde nos oferecia uma rodada de doces na confeitaria Chuvisco.

Uma pauta da Ele&Ela resultou num dos mais longos casamentos blochianos. Cony incumbiu a repórter Ana Maria Abreu (irmã de Marília, na época mulher do “guerrilheiro” Fernando Gabeira) de entrevistar gente conhecida sobre “o seu filme de amor preferido”. Entre os intelectuais procurados, Ana Maria ouviu Narceu de Almeida, então na redação da Manchete. A love story favorita do Narceu só podia ser, como ele, romântica e trágica: O acossado, de Jean-Luc Godard, em que a mocinha (Jean Seberg) entrega à polícia o mocinho (Jean-Paul Belmondo), que morre numa rua de Montparnasse com uma bala nas costas. Da entrevista ao casamento, Narceu e Ana Maria viveram felizes (com três filhos) até a morte prematura dele, em 1985 aos 52 anos. Na ocasião, Narceu era editor de Ele&Ela.

1974: Sonia Braga, uma das estrelas
da revista
Outros ocuparam a cadeira ao longo dos anos: Sérgio Ryff, Léo Borges Ramos, Henrique Diniz, Alexandre Raposo, Lincoln Martins.

Por uma destas arapucas do destino, a partir de 1999 – depois de mais de vinte anos como editor da Manchete – acabei sendo o último editor de Ele&Ela, já demie-bombée (a revista), nos estertores finais que levaram ao último sopro com a autofalência de Bloch Editores em 1º de agosto de 2000.

Aliás, logo estaremos, melancolicamente,  apagando as 17 velinhas do fim daquele que já foi um dos maiores impérios editoriais do Brasil.

3 comentários:

Ana Lucia Bizinover disse...

Coleguinhas, editores e leitores do Panis: como única redatora mulher da Ele Ela durante praticamente cinco anos (de 1975 a 1980) - nos áureos tempos de Narceu de Almeida (colaboravam mensalmente: Otto Maria Carpeaux, Rubem Braga, Paulo Mendes Campos, Helio Pellegrino, Otto Lara Rezende, Artur da Távola) - relato o seguinte fato (entre os muitos daquele terrotório livre da Bloch): "Ai Jesus, largo tudo, vendo tudo, abandono tudo por essa mulher" (sotaque lusitano, por favor). Era o grito do estupendo diretor de arte Licinio de Mello ao ver adentrar na redação uma adolescente de 16 anos: LUIZA BRUNET. Foi logo capa. Deslumbrante e pela primeira vez posaria de lingerie na passarela do Aterro, em frente à sede da Manchete. A EleEla está a merecer um livro .... Como éramos felizes, hem turma !!! (Ana Lúcia Bizinover)

J.A.Barros disse...

Sim, foi um dos maiores impérios editoriais do Brasil, mas não posso descartar um outro império editorial que foi dos Diários Associados com seus jornais e Agências em vários estados do Brasil, além das emissoras de Rádio e depois de emissoras TV, império esse criado pelo pernambucano Assiz Chateaubriand

Accioly disse...

Ele e Ela da Mirian Rios, inesquecível. A série de Luiza Brunet também.